1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Futebol Internacional

Favoritos ao título gastam uma fortuna antes do Espanhol

O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2014 | 05h 00

Barcelona, Real e Atlético de Madrid investiram mais de R$ 1 bilhão em contratações; torneio começa neste sábado com quatro jogos

Sem nenhum dos favoritos ao título em campo, quatro jogos abrem neste sábado o Campeonato Espanhol. O Barcelona estreará no domingo, e Real Madrid e Atlético de Madrid, que decidiram o título da Supercopa na sexta, só jogarão segunda-feira.

Se a diferença entre os três grandes e a concorrência já era imensa, deve ficar ainda maior nesta temporada por causa da gastança empreendida pelos clubes que aspiram ao título. Juntos, Barcelona, Real e Atlético torraram a fortuna de  366 milhões (R$ 1,1 bilhão) - um valor que mostra o quanto estão à frente dos outros 17 participantes em termos financeiros.

Andres Kudacki/AP
Mandzukic, reforço do Atlético de Madrid, com o troféu da Supercopa

Barcelona e Real Madrid têm o hábito de abrir o cofre sem pudor para contratar reforços. A novidade é o Atlético de Madrid ter entrado nesse clube, depois de duas temporadas em que quase não gastou.

Para repor a perda de jogadores importantes como Courtois, Diego Costa, Filipe Luis, David Villa, Adrián e Diego, o clube fez sete contratações. As principais foram os atacantes Mandzukic e Griezmann e o goleiro Oblak. 

Fiel ao seu estilo de jogar o favoritismo para as costas dos adversários, o técnico Diego Simeone disse que, embora seu time tenha ganho o título na temporada passada, a meta nesta é brigar pelo terceiro lugar com Sevilla, Valencia e Athletic de Bilbao. 

“Não gosto de enganar os torcedores. Não temos condição de competir com Barcelona e Real Madrid, a nossa realidade é tentar ficar em terceiro lugar. E isso não será nada fácil.”

O Barça é o único dos três candidatos ao título que trocou de técnico. No lugar do argentino Gerardo Martino está Luis Enrique, ex-jogador do clube e um defensor ferrenho do estilo de jogo que levou o time ao seu ápice nos tempos em que era dirigido por Pep Guardiola: posse de bola, marcação no campo do adversário, intensidade e busca incessante do gol.

Embora o reforço mais caro tenha sido o atacante uruguaio Luis Suárez - custou  81 milhões (R$ 243 milhões), mas só poderá jogar no fim de outubro, quando terminar a pena de quatro meses que recebeu da Fifa por ter mordido o italiano Chiellini na Copa do Mundo -, o clube desta vez se preocupou com a defesa. E depois de ter passado cinco anos sem contratar um zagueiro sequer, comprou logo dois de uma vez: o francês Mathieu e o belga Vermaelen.

O Real Madrid gastou  120 milhões (R$ 360 milhões) para contratar apenas três jogadores - todos com ótimo rendimento na Copa do Mundo: o goleiro costa-riquenho Keylor Navas, o meia alemão Toni Kroos e o meia colombiano James Rodríguez. Vencedor da Liga dos Campeões na temporada passada, a meta é conquistar o bi na competição europeia e vencer também o Campeonato Espanhol.Com o elenco que montou, é um objetivo bastante viável.

Futebol Internacional