1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

FBI suspeita de suborno do Catar para levar a Copa do Mundo de 2022

Jamil Chade, correspondente - O Estado de S. Paulo

17 Março 2014 | 20h 52

Ex-vice-presidente da Fifa, Jack Warner teria recebido US$ 2 milhões em troca de votos

GENEBRA - A Copa no Catar vira caso de polícia. O FBI está investigando o depósito feito a um ex-vice-presidente da entidade máxima do futebol por uma empresa de um dirigente do Catar dias depois que o país árabe foi escolhido para ser sede do Mundial. O caso promete causar um novo terremoto na Fifa.

Jack Warner, ex-cartola caribenho e número 2 da entidade, teria recebido US$ 2 milhões de uma empresa ligada à campanha do Catar para receber a Copa. Sua família, que vive em Miami, também teria recebido parte do dinheiro e hoje estaria cooperando com as investigações.

A suspeita é de que o dinheiro seja uma retribuição pelo voto de Warner para levar a Copa ao Catar e por ter influenciado outros membros do Comitê Executivo da Fifa a apoiar o projeto. O dinheiro encontrado em sua conta vem de empresas de propriedade de Mohamed Bin Hammam, ex-representante do Catar na Fifa e que chegou a se candidatar para presidir a entidade com o apoio de Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF.

A escolha do Catar ocorreu em dezembro de 2010, gerando muita polêmica. Na época, acusações apontaram que membros do Comitê Executivo da Fifa teriam aceito "presentes" das autoridades do Catar para apoiar o país. Mas nada foi provado.

Warner foi obrigado a deixar a Fifa em 2011, depois que ficou provado que ele ajudou Bin Hammam a distribuir subornos para outros cartolas com a intenção de vencer a eleição na Fifa naquele ano. Ambos foram expulsos do futebol.

Agora, documentos revelam pagamentos que, segundo a polícia americana, precisam ser esclarecidos. No dia 15 de dezembro de 2010, as empresas de Bin Hammam teriam enviado US$ 1,2 milhão para contas de Warner, um dos homens mais fortes dentro da Fifa. Um pagamento de mais US$ 1 milhão teria sido encaminhado para o filho de Warner e empregados de suas empresas.

Mas foi o trajeto do dinheiro que chamou a atenção do FBI. Inicialmente, o dinheiro deveria ter sido enviado a um banco nas Ilhas Cayman. Mas a instituição recusou o depósito. Segundo o jornal The Telegraph, o dinheiro então circulou via Nova Iorque, o que chamou a atenção das autoridades americanas.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo