1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Felipão admite que convocaria Diego Costa para a seleção brasileira

Robson Morelli - Enviado especial a Teresópolis - O Estado de S. Paulo

19 Junho 2014 | 13h 15

Vaiado pelos brasileiros e eliminado com os espanhóis, atacante faria diferença no setor ofensivo do time nacional na Copa do Mundo

Felipão admitiu que convocaria Diego Costa para a Copa. O treinador disse sem rodeios em entrevista ao Estado que chamaria o jogador do Atlético de Madrid depois de ter apresentado sua lista e tomado conhecimento de que o atacante naturalizado espanhol disputaria a competição no Brasil pela Espanha, a campeã do mundo. Diego Costa faz falta ao Brasil. E sua vida na 'Fúria' foi curta e ingrata. Onde quer que fosse pelo País, era chamado de 'traidor' e ouvia vaias toda vez que pegava na bola. Não teve paz em sua própria terra. A Espanha perdeu duas partidas seguidas, para Holanda e Chile, e foi eliminado na primeira fase do torneio. Ninguém esperava. Tampouco Diego Costa.

O Brasil precisava dele. Fred sempre teve a confiança do treinador, mas Felipão sabia da importância de Diego Costa para o time. Em todos os sentidos. É o 9 mais reverenciado na Europa, gosta de fazer gols e tem o estilo trombador que Felipão adora. Não seria titular logo de cara, mas certamente teria chances nas partidas contra Croácia e México. E depois das atuações apagadas de Fred nesses jogos, ocuparia a vaga do companheiro. Jô, que foi apenas razoável diante dos mexicanos, mas teve boa movimentação, começa a ser olhado pelo chefe de outra forma.

Dylan Martinez/Reuters
Estrangeiro no Maracanã, Diego Costa sofre com hostilidade da torcida

O pior para Diego Costa foi ser vaiado pelos brasileiros. Sua família foi hostilizada nos estádios. Isso acaba com o pequeno vínculo que tinha com o Brasil. Mas Diego diz entender o comportamento dos brasileiros. Diz que futebol é assim mesmo, e sempre será. E não se abala. Ele, diga-se, não é o primeiro jogador a virar casaca em Copas do Mundo. Há outros. A Itália, candidata ao título sob o comando de Andrea Pirlo, tem Thiago Motta em seu elenco, que provavelmente será titular nesta sexta contra Costa Rica. A própria Croácia, que enfrentou o Brasil, teve Eduardo da Silva em suas fileiras.

O 'ódio' sem razão do torcedor brasileiro com Diego tem a ver com a fragilidade da seleção. O Brasil seria mais forte com Diego Costa. Ocorre que ele não sentiu em Felipão segurança e confiança necessárias para esperar. Preferiu agarrar o certo do que apostar no duvidoso. Uma pena para ele, para o torcedor e para o Brasil.

Copa 2014