1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Copa 2014

Felipão aponta seleção brasileira com 80% das condições ideais

Segundo o técnico, altura não é vantagem dentro de campo, e a equipe não fará jogadas áereas durante o jogo contra o Chile

Principal referência de bom futebol da seleção brasileira no atual ciclo, a Copa das Confederações voltou a ser evocada nesta sexta-feira, na véspera do duelo com o Chile, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, no Mineirão, em Belo Horizonte. Para o técnico Luiz Felipe Scolari, a sua equipe tem 80% do nível mostrado durante o torneio de 2013, quando venceu seleções tradicionais, como Itália, Uruguai e Espanha, para ser campeã.

"A equipe apresenta 80% das condições que tínhamos na Copa das Confederações. Através dos trabalhos realizados pelos nossos departamentos, a evolução foi notada e vista de forma que posso dizer que estamos quase nas condições normais e ideais que tínhamos na Copa das Confederações antes desse primeiro mata-mata", afirmou.

Felipão negou que o Brasil possa entrar em campo com uma postura diferente diante das características do Chile. Mas avisou que possui alternativas para mudar o estilo de jogo da equipe caso considere necessário. E, no último coletivo realizado antes do duelo deste sábado, chegou a testar os volantes Fernandinho e Ramires e o lateral-direito Maicon entre os titulares.

Felipão chega em coletiva de imprensa do Brasil, em Belo Horizonte
Felipão chega em coletiva de imprensa do Brasil, em Belo Horizonte

"Vou montar equipe de acordo com o nosso padrão de jogo, independentemente do que o Chile possa oferecer. Preciso pensar no que queremos. Se der certo ou errado, temos alternativas para que saibamos nos portar em algumas situações", declarou.

Assim, Felipão descartou a possibilidade de o Brasil usar as jogadas aéreas, em razão da baixa estatura dos jogadores que compõem o sistema defensivo chileno, como principal arma para vencer o confronto de sábado. E até relembrou os seus tempos de jogador para minimizar uma suposta deficiência dos adversários nesse tipo de lance.

"Joguei por muitos anos no Caxias (do Rio Grande do Sul). E um dos jogadores com melhor posicionamento media 1,70 metro. Era o Paulo Cesar Tatu, jogava comigo. Olhava, se posicionava quietinho e fazia o gol. Não é preciso altura, mas ser inteligente, ter tempo de bola, se posicionar. Noto que os jogadores chilenos têm isso. Não é por aí que vamos ganhar", garantiu Felipão.

Copa 2014