1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Felipão aponta seleção brasileira com 80% das condições ideais

Leandro Silveira - enviado especial a Belo Horizonte - O Estado de S. Paulo

27 Junho 2014 | 13h 49

Segundo o técnico, altura não é vantagem dentro de campo, e a equipe não fará jogadas áereas durante o jogo contra o Chile

Principal referência de bom futebol da seleção brasileira no atual ciclo, a Copa das Confederações voltou a ser evocada nesta sexta-feira, na véspera do duelo com o Chile, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, no Mineirão, em Belo Horizonte. Para o técnico Luiz Felipe Scolari, a sua equipe tem 80% do nível mostrado durante o torneio de 2013, quando venceu seleções tradicionais, como Itália, Uruguai e Espanha, para ser campeã.

"A equipe apresenta 80% das condições que tínhamos na Copa das Confederações. Através dos trabalhos realizados pelos nossos departamentos, a evolução foi notada e vista de forma que posso dizer que estamos quase nas condições normais e ideais que tínhamos na Copa das Confederações antes desse primeiro mata-mata", afirmou.

Felipão negou que o Brasil possa entrar em campo com uma postura diferente diante das características do Chile. Mas avisou que possui alternativas para mudar o estilo de jogo da equipe caso considere necessário. E, no último coletivo realizado antes do duelo deste sábado, chegou a testar os volantes Fernandinho e Ramires e o lateral-direito Maicon entre os titulares.

Jefferson Bernardes/ Vipcomm
Felipão chega em coletiva de imprensa do Brasil, em Belo Horizonte

"Vou montar equipe de acordo com o nosso padrão de jogo, independentemente do que o Chile possa oferecer. Preciso pensar no que queremos. Se der certo ou errado, temos alternativas para que saibamos nos portar em algumas situações", declarou.

Assim, Felipão descartou a possibilidade de o Brasil usar as jogadas aéreas, em razão da baixa estatura dos jogadores que compõem o sistema defensivo chileno, como principal arma para vencer o confronto de sábado. E até relembrou os seus tempos de jogador para minimizar uma suposta deficiência dos adversários nesse tipo de lance.

"Joguei por muitos anos no Caxias (do Rio Grande do Sul). E um dos jogadores com melhor posicionamento media 1,70 metro. Era o Paulo Cesar Tatu, jogava comigo. Olhava, se posicionava quietinho e fazia o gol. Não é preciso altura, mas ser inteligente, ter tempo de bola, se posicionar. Noto que os jogadores chilenos têm isso. Não é por aí que vamos ganhar", garantiu Felipão.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo