José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Felipão diz que nem Jesus Cristo conseguiria unanimidade em convocação

Treinador da seleção brasileira divulgará lista final da Copa do Mundo dia 7 de maio

EFE

15 Abril 2014 | 11h50

SÃO PAULO - O técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, afirmou na última segunda-feira que nem Jesus Cristo conseguiria unanimidade na convocação final da equipe que disputará a Copa do Mundo e admitiu a possibilidade de a lista ter surpresas, dando esperanças para jogadores como Miranda e Philippe Coutinho, quem sabe Alexandre Pato e Ganso. "Não quero que seja (unânime). Unanimidade entre 23 escolhidos? Nem Jesus Cristo faria isso. É um milagre que nem ele conseguiria", disse Felipão durante a festa de premiação dos melhores do Paulistão, em referência à convocação definitiva que será anunciada dia 7 de maio, no Rio.

Ao ser indagado sobre o zagueiro Miranda, do Atlético de Madrid, e sobre o meia Philippe Coutinho, do Liverpool, que vêm tendo destaque na Europa, Felipão foi enfático ao assinalar que "qualquer jogador brasileiro tem chance de ser convocado." "Juca, Pedro, Paulo, qualquer um. Inclusive quem não foi ainda. Todos estão sendo observados. As dúvidas são passadas a vocês (imprensa) para continuarem discutindo, mas nós já temos nosso time definido", disse o treinador. Miranda foi convocado por Felipão apenas uma vez, no amistoso contra a Inglaterra dia 6 de fevereiro de 2013 em Wembley, a primeira partida do treinador em seu retorno à seleção. Enquanto Coutinho nunca foi chamado.

O treinador também admitiu que não está preocupado com as lesões recentes do atacante Fred nem com as críticas ao goleiro Julio Cesar, que rejeitou ofertas de times brasileiros para defender o Toronto do Canadá, que disputa a Major League Soccer (MLS), o principal campeonato dos Estados Unidos, cujo nível técnico é considerado inferior ao dos principais campeonatos europeus. "Tenho visto com tranquilidade os dois. O Fred está voltando após lesão e vem jogando. O Julio Cesar também está jogando, independentemente do local. Se a Liga é mais forte ou menos forte, não importa. O tiro de meta é igual, o pênalti, o chute. Estar jogando é o que era preciso", diz.

O Brasil está no Grupo A da Copa do Mundo junto com as seleções de México, Camarões e Croácia. A seleção brasileira estreia contra os europeus na partida de abertura da Copa, dia 12 de junho, na Arena Corinthians em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.