Felipão e Ronaldo: abraço e a "paz"

Luiz Felipe Scolari não perdeu tempo, e assim que Ronaldo chegou ao Hotel Marina Park o chamou para uma conversa reservada. Depois de um rápido abraço, o treinador fez questão de esclarecer que não teve intenção de criticá-lo. O técnico disse ao astro que foi mal interpretado em declarações recentes, em que o chamara de mimado e afirmara que jamais atuaria com 100% de suas condições físicas, por causa das duas operações que fez no joelho direito. "Você nunca vai ouvir da minha boca qualquer coisa contra qualquer pessoa daqui", declarou Scolari a Ronaldo, segundo contou Rodrigo Paiva, assessor de imprensa da seleção e do ídolo. Com isso, estava reestabelecida a paz na "família". Minutos depois, na preleção para os atletas, Scolari fez questão de repetir para todos o que dissera particularmente ao craque. O próprio Ronaldo afirmou que a polêmica estava encerrada e que havia entendido o recado do técnico. "Não houve constrangimento", adiantou o jogador. "Foi algum erro de interpretação", contemporizou. "Ele não teve intenção de falar mal de mim." Ronaldo, no entanto, reforçou a idéia de que não se considera mimado, como falou Scolari, em entrevista a uma emissora de rádio do Rio Grande do Sul. "Tenho minha personalidade, pode ser que alguns amigos me tratem como tal, mas não sou mimado", avisou. Scolari comandou um treino rápido no Estádio Castelão, no início da noite, acenou para os torcedores antes de pisar o gramado e distribuiu autógrafos na saída do hotel. O jogo de quarta-feira vai marcar sua despedida da seleção. E o comandante da comissão técnica na campanha do pentacampeonato mundial quer sair com vitória contra o Paraguai. "É um jogo de festa, mas a torcida que vier ao estádio vai querer o Brasil vencer", analisou com frieza e com a consciência de quem sabe que resultados são importantes. "Temos a obrigação de fazer o possível para ganhar e retribuir a atenção." Com a ausência de Lúcio e Róque Júnior contundidos, Scolari deve abrir mão do esquema 3-5-2. O Brasil só vai dispor de dois zagueiros: Edmilson e Anderson Polga.

Agencia Estado,

19 Agosto 2002 | 20h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.