1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Fifa cede e permite policiamento local no perímetro do Maracanã

Jamil Chade, Marcio Dolzan e Ronald Lincoln Jr. - O Estado de S. Paulo

22 Junho 2014 | 10h 44

Pela primeira vez no Mundial, entidade deixa que a Polícia Militar reforce a segurança no estádio do Rio, que já registrou problemas

 A Fifa, de fato, cedeu. Pela primeira vez nesta Copa, a entidade autorizou o acesso de policiais militares para fazer a segurança na área interna de um estádio, que desde sempre foi de responsabilidade exclusiva de seguranças privados (stewards). Na manhã deste domingo, a poucas horas do jogo entre Bélgica x Rússia, 50 PMs já faziam um cordão de isolamento no acesso ao Centro de Mídia do Maracanã, entre o portão e a sala invadida na quarta-feira por torcedores chilenos.   

Na sexta-feira, as forças de segurança anunciaram um reforço de 600 cadetes da Polícia Militar para o jogo deste domingo, aumentando o efetivo de 2,5 mil para 3,1 mil em dias de jogos da Copa. Além disso, as grades do entorno do estádio foram reforçadas na tarde de sábado. Segundo a Fifa, 1,1 mil vigias estão atuando no Maracanã. 

Estadão
Ao menos 50 cadetes da Polícia Militar reforçam a seguranã na entrada da área de imprensa

Na manhã deste domingo ficou nítido o reforço no policiamento nas ruas próximas ao Maracanã. Várias barreiras policiais foram feitas e somente pessoas portando credenciais e ingressos tiveram a passagem livre. Não há revista. Até às 10h30, o movimento de torcedores era bem tranquilo - a maioria com as cores da Bélgica.

Apesar de todo o reforço na segurança, o jogo desta tarde entre belgas e russos é considerado de baixo risco. Como não envolve nenhuma seleção sul-americana, a previsão é de que poucas pessoas venham ao estádio sem ingresso, diminuindo o risco de invasão.

Ao contrário do jogo entre Chile x Espanha, belgas e russos compraram poucos ingressos para a Copa. No total, as duas torcidas somaram apenas 18 mil entradas para todo o Mundial. 

Copa 2014