1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Por corrupção, Fifa pede indenização de R$ 20 milhões ao Brasil

- Atualizado: 16 Março 2016 | 10h 48

Entidade diz que gastos de US$ 1,67 milhão foram registrados com Del Nero, US$ 3,5 milhões com Teixeira e US$ 114 mil com Marin

Reconhecendo pela primeira vez a compra de votos na Copa do Mundo e dezenas de outros crimes, a Fifa acusa Marco Polo Del Nero, José Maria e Ricardo Teixeira de “corrupção” e de terem prejudicado a “reputação” da entidade máxima do futebol. Apenas pelos danos causados pelos dirigentes brasileiros, a Fifa solicitou à Justiça americana que seja reembolsada em US$ 5,3 milhões (R$ 19,9 milhões).

Del Nero e Teixeira foram membros do Comitê Executivo da Fifa por anos e, segundo a entidade, eles teriam absorvido US$ 1,67 milhão e US$ 3,5 milhões respectivamente dos cofres da Fifa em gastos de viagem, hotéis e salários, além do impacto sobre a reputação. Já Marin consumiu US$ 114 mil.

 

Retrospectiva 2015 - Corrupção no futebol
Montagem/AP
Operação na Suíça prende dirigentes da Fifa

Operação deflagrada pela Justiça dos Estados Unidos, em colaboração com autoridades suíças, prendeu dirigentes ligados à Fifa na madrugada de 27 de maio, desencadeando uma crise sem precedentes na entidade

O pacote brasileiro faz parte de uma iniciativa da Fifa de mostrar que, desde a eleição de Gianni Infantino como presidente, a entidade “virou a página” e que, hoje, quer ser considerada como vítima desses cartolas do passado. “O dinheiro que esses cartolas levaram pertencem ao futebol global. A Fifa quer agora esse dinheiro de volta”, disse Infantino.

“Esse dinheiro não foi desviado apenas da Fifa, mas dos jogadores, técnicos e torcedores pelo mundo. Esse dinheiro era para ter sido usado para construir campos, não mansões e piscinas”, atacou o novo presidente. “Era para comprar uniformes, não joias e carros e dar um estilo de vida abusivo aos dirigentes”, insistiu.

Em um recurso apresentado ao Ministério Público dos EUA, a Fifa estima que precisa receber pelo menos US$ 28 milhões (R$ 105 milhões) do dinheiro coletado pela Justiça americana dos cartolas que já teriam confessado culpa por corrupção. O dinheiro viria, por exemplo, dos recursos que José Hawilla pagou como multa à Justiça dos EUA, em cerca de US$ 151 milhões (R$ 568 milhões). No total, os americanos já recuperaram US$ 191 milhões (R$ 719 milhões) no escândalo do futebol. Os recursos dados como fiança, porém, não contam nessa avaliação.

O argumento da Fifa é de que foram os cartolas, e não a entidade, que roubaram os cofres do futebol e afetaram sua imagem e  reputação. A estratégia, acima de tudo, é para mostrar aos procuradores que a Fifa foi vítima e não é uma entidade criminosa. Os advogados, portanto, fizeram os cálculos de quanto gastaram com cada um dos dirigentes indiciados e querem esse dinheiro de volta para "o futebol". Além de Del Nero e Teixeira, a Fifa pede o dinheiro aos americanos referente aos custos que tiveram com outros ex-membros do Comitê Executivo. Rafael Salguero da Guatemala, por exemplo, teria gasto US$ 5 milhões dos recursos da entidade. Chuck Blazer, dos EUA, outrose US$ 5,3 milhões.

Del Nero e Teixeira foram indiciados pela Justiça americana por suspeitas de terem cobrado propinas milionárias em contratos com empresas de marketing e televisão. Se deixarem o Brasil, serão presos e entregues ao FBI. José Maria Marin, ex-presidente da CBF, também foi preso e hoje aguarda seu processo em Nova York. Mas, como nunca foi membro do Comitê Executivo da Fifa, entra numa conta inferior da entidade. 

Além dos US$ 28 milhões em gastos com dirigentes, a Fifa pede parte do dinheiro para arcar com seus custos em advogados, avaliados em US$ 10 milhões por mês (R$ 37 milhões). O apelo da Fifa vem no momento em que a entidade anuncia nesta quinta-feira seu primeiro déficit. Em 2015, o buraco deve chegar a US$ 103 milhões (R$ 387 milhões). Se até então era a Justiça que acusava os dirigentes, agora é a própria Fifa que os denuncia por "corrupção". Segundo a entidade, os três cartolas brasileiros ocuparam "posições de confiança na Fifa e em organizações nacionais". "Ao longo dos anos, eles abusaram de suas posições para se enriquecer, enquanto causavam danos significativos para a Fifa", indicou o documento oficial enviado para a Justiça americana. "Os danos foram amplas perdas financeiras (incluindo salários e dinheiro desviados ao seus bolso, assim como dano para a reputação, relações comerciais e à propriedade intelectual da Fifa", indicaram os advogados. 

O documento vai além: "Suas ações afetaram profundamente a marca Fifa e sua habilidade de usar os recursos para fortalecer o futebol."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX