1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Eleição presidencial da Fifa na sexta-feira pode ser suspensa

- Atualizado: 23 Fevereiro 2016 | 08h 18

Candidato diz que não há consenso sobre como ocorrerá a votação

A eleição da Fifa vai parar nos tribunais e pode ser suspensa. Nesta terça-feira, um dos candidatos para a presidência, Ali bin al-Hussein, pediu a suspensão das votações, marcadas para a sexta-feira. Seus advogados entraram com um pedido ao Tribunal Arbitral dos Esportes para que o processo seja adiado. Sua argumentação é de que não existe um consenso sobre como ocorrerá a votação. Sem um processo claro, Ali sugere que haverá brechas para fraude nos 209 votos.  

A Fifa também rejeitou seu pedido para que as urnas usadas no processo sejam transparentes, depois que alguns eleitores indicaram que, em maio de 2015, eram orientados a fotografar suas cédulas para que provassem aos candidatos que haviam dado seu apoio.

Suíço Gianni Infantino, francês Jérome Champagne, sul-africano Tokyo Sexwale, xeque bahrenita Salman bin Ebrahim al-Khalifa e príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein são os candidatos à presidência da Fifa

Suíço Gianni Infantino, francês Jérome Champagne, sul-africano Tokyo Sexwale, xeque bahrenita Salman bin Ebrahim al-Khalifa e príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein são os candidatos à presidência da Fifa

O voto ocorre em Zurique, numa eleição considerada pelos candidatos como "fundamental" para o futuro da Fifa e num dos processos mais disputados da história da entidade. 

O jordaniano é um dos cinco candidatos e, em maio de 2015, chegou a ter mais de 70 votos na eleição vencida na época por Joseph Blatter.

Segundo Ali, o recurso foi apresentado diante da "recusa da Fifa em aceitar um processo acelerado" para avaliar sua proposta. Os advogados do jordaniano, Francis Szpiner e Renaud Semerdjian, insistem que "apenas uma urna transparente permitiria provar que cada voto possa ser realizado de forma correta e que não houve voto forçado". "Ela impediria que os eleitores fotografassem suas cédulas para provar que eles seguiram uma ordem de voto", disseram. 

Na agenda da Fifa está a aprovação de uma ampla reforma, na esperança de convencer a polícia e as autoridades judiciais de que a entidade foi vítima de corruptos e que não é uma organização criminosa. 

Mas o Comitê que faz a gestão do processo eleitoral garante que não existe a necessidade de que as urnas sejam transparentes. Cada um dos 209 eleitores das federações nacionais será obrigado a entrar em uma cabine para colocar seu voto. Mas não poderão entrar com celulares e câmeras de foto.

Ali levou o caso ao Tribunal Arbitral dos Esportes e fez questão de enviar para Zurique urnas transparentes, caso a Fifa autorize seu uso. O jordaniano tem o apoio de Jimmy Carter, ex-presidente dos EUA e de políticos de outras partes do mundo. Mas conta com poucos votos dos dirigentes esportivos. 

Retrospectiva 2015 - Corrupção no futebol
Montagem/AP
Operação na Suíça prende dirigentes da Fifa

Operação deflagrada pela Justiça dos Estados Unidos, em colaboração com autoridades suíças, prendeu dirigentes ligados à Fifa na madrugada de 27 de maio, desencadeando uma crise sem precedentes na entidade

Mas ele não é único a se queixar. O candidato francês Jérôme Champagne denunciou o fato de um "número elevado de observadores" foram credenciados para a eleição vindos da Uefa e da Confederação Asiática, regiões que servem de base de apoio para dois dos favoritos: Gianni Infantino e Salman Al Khalifa. 

Champagne denunciou a manobra à comissão eleitoral da Fifa, apontando para 20 credenciais extras para a Europa e sete para a Ásia. Para o francês, o objetivo dessas regiões é de pressionar os eleitores instantes antes do pleito e "enviar ao Congresso seus funcionários capazes de terem acesso aos membros votantes das federações."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX