1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Fifa vai investigar lance da joelhada de Zúñiga contra Neymar

Jamil Chade - Enviado especial ao Rio - O Estado de S. Paulo

04 Julho 2014 | 22h 35

Assessores da CBF querem punição equivalente à de Suárez

A Fifa anunciou que vai examinar o lance que tirou Neymar da Copa do Mundo. Imagens e informes serão avaliados a partir deste sábado e o caso será examinado pelo Comitê Disciplinar da entidade, no Rio de Janeiro. Enquanto isso, assessores legais próximos à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já examinam a possibilidade de pedir à entidade que abra uma investigação contra o jogador colombiano Camilo Zuñiga. 

A meta dos brasileiros é conseguir uma punição equivalente ao que o jogador uruguaio Luis Suárez obteve depois de morder um adversário. O Estado apurou que, no caso de Neymar, o Comitê de Disciplina vai pedir as imagens do jogo e, neste sábado, examinará a situação. 

Nilton Fukuda/Estadão
Zuñiga acerta Neymar com uma joelhada nas costas

A joelhada não foi vista pelo árbitro e o jogo seguiu, sem mesmo uma falta. Mas a porta-voz da Fifa, Delia Fischer, confirmou na noite de sexta-feira que a entidade aguarda o relatório do árbitro e ainda vai colher material para investigar o caso. "Vamos reunir e analisar o material necessário com o objetivo de avaliar o caso", declarou. 

Assim que os exames revelaram a gravidade da contusão, os advogados entraram em ação para estudar todas as possibilidades legais. A avaliação é de que se, por uma mordida que nem sequer tirou o adversário do Mundial, um lance que coloca em risco outro atleta deveria ter, no mínimo, o mesmo nível de punição. Suárez foi punido com nove partidas de suspensão, quatro meses afastado do futebol e multa. Isso tudo mesmo que o árbitro não tenha visto no jogo o lance da mordida. 

Apesar de ter punido Suárez, a Fifa praticamente inocentou diversos casos de violência em campo durante a Copa do Mundo. A atitude da Fifa chamou a atenção de técnicos e jogadores que passaram a criticar abertamente a incoerência da entidade em exigir "fair-play" por parte dos jogadores e, ao mesmo tempo, não sancionar cotoveladas, entradas duras e nem agressões.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo