Fiorentina: fim de um mito italiano

Florença é a cidade italiana mais visitada por quem ama a Arte. A capital da Toscana foi o berço da Renascença e durante séculos teve importância política imprescindível para definir os destinos da Itália. A culinária é também motivo de admiração. Até alguns anos atrás, o futebol era igualmente fonte de orgulho e alegria. Agora, só causa de humilhação. A Fiorentina, fundada 76 anos atrás, desde hoje oficialmente deixou de existir. Seus atuais proprietários não conseguiram cobrir débitos e tiveram de reconhecer a falência do clube. O ressurgimento deve ocorrer na Quarta Divisão ou, hipótese menos drástica mas pouco provável, na Terceira. A dissolução da Associazione Calcio Fiorentina, criada em 26 de agosto de 1926, veio no começo da tarde. Na reunião entre representantes da Liga e da Federação Italiana, ficou constatada a insolvência da equipe ?viola? (violeta), porque o presidente Vittorio Checchi Gori não encontrou quem bancasse os US$ 22 milhões necessários para saldar dívidas urgentes. A cúpula da cartolagem italiana decidiu, então, seguir recomendação da Comissão de Vigilância das Sociedades Anônimas. O órgão que fiscaliza as empresas privadas havia sugerido o fechamento da Fiorentina e a lacração da sede, na Piazza Girolamo Savonarola, 6. Assim que foi decretada a ?morte? da Fiorentina, os dirigentes promoveram a Ternana para a Série B. Ela ocupará a vaga do clube extinto, que havia sido rebaixado no torneio da Série A da temporada de 2001-2002. "É um momento muito triste", afirmou Franco Carraro, presidente da Federação. "Apesar disso, não podemos iludir os torcedores", advertiu. "Acreditamos que a cidade terá novo clube, mas o mais prudente é que recomece de baixo, ao disputar a Quarta Divisão." A primeira reação veio na forma de protestos de torcedores contra a administração irresponsável de Cecchi Gori, que em poucos anos dilapidou a fortuna herdade de seu pai, Mario, um dos mais famosos produtores de cinema da Itália. Na seqüência, o prefeito de Florença, Leonardo Domenici, anunciou o ?nascimento? da Fiorentina 1926 Fiorentina Srl, o novo clube local. Por enquanto, ele acumula o cargo de presidente. A Fiorentina teve vários momentos de glória. O primeiro com o título nacional de 1956, em que brilhou a estrela do ponta brasileiro Julinho Botelho. Depois, foi campeã em 69. Em seu currículo, há também seis conquistas da Copa Itália, uma Recopa da Europa (61), uma Mitropa Cup. A Fiorentina teve, em sua história, craques como Amarildo, Antognoni, Roberto Baggio, Toldo, Sócrates, Edmundo, Daniel Passarella. No elenco atual, há atletas de qualidade, como Chiesa, Di Livio, o português Nuno Gomes. Todos estão com passe livre e negociam transferência. Assim como o volante Amaral, ex-Palmeiras. "Fiquei muito triste e gostaria de continuar aqui, se tivesse uma conta bancária bem recheada", afirmou. "Mas devo pensar na minha vida." Hoje, ele deve anunciar qual será seu destino.

Agencia Estado,

01 Agosto 2002 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.