Flu com dúvidas para pegar o Santos

O Fluminense pretende amenizar o clima de insatisfação nas Laranjeiras e ainda se manter com esperanças de classificação para o Torneio Rio-São Paulo, com uma vitória sobre o Santos, amanhã, às 16h, no Maracanã. Insatisfeita com a 11ª colocação da equipe na tabela de classificação, a torcida da equipe carioca tem hostilizado o técnico Oswaldo de Oliveira e os jogadores. Para o confronto contra o Santos, os problemas de Oliveira aumentaram já que tem alguns problemas para escalar o Fluminense. Além do volante Marcão,que cumpre suspensão automática, o meia Paulo Isidoro está sentindo dores no músculo adutor da coxa direita e é dúvida. "Ainda não sei o que vou fazer. Com a contusão do Paulo, posso armar um esquema defensivo ou ofensivo para o time", considerou Oliveira. Se optar por uma formação defensiva e com Paulo Isidoro em condições de atuar, o técnico do Fluminense deve escalar Fábio Cordeiro, no lugar de Marcão. Já a opção ofensiva de Oliveira é a entrada é recuar Roger para o meio-de-campo e colocar um novo jogador para fazer a dupla de ataque com Magno Alves, que poderia ser Caio ou Júlio César. Sem poder escalar Paulo Isidoro, Oliveira tem como alternativa improvisar o lateral-esquerdo Paulo César no meio-de-campo, colocando Júnior César na lateral. No lugar de Marcão, atuaria Fábio Cordeiro. Com tantos problemas, os jogadores do Fluminense tentaram sensibilizar os torcedores e pediram apoio. As vaias têm sido uma constante e mesmo na vitória por 2 a 0, sobre o Paysandu, quando o time se classificou à próxima fase da Copa do Brasil, elas não deixaram de aparecer. "Como jogadores do Fluminense não podemos nos deixar influenciar pelas vaias", frisou Roger. "Mas, a torcida precisa compreender que elas só prejudicam. Os torcedores devem comparecer aos estádios e nos apoiar."

Agencia Estado,

15 Março 2002 | 19h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.