Fluminense encara o Grêmio precisando de gols para avançar na Copa do Brasil

Cariocas precisam fazer 2 a 0 para se classificar; se perder por até 1 gol de diferença, vaga é do time gaúcho

Fábio Grellet, Estadão Conteúdo

31 Maio 2017 | 06h34

O Fluminense enfrenta o Grêmio às 19h30 desta quarta-feira, no estádio do Maracanã, no Rio, pela Copa do Brasil, com uma missão difícil: reverter o placar do primeiro jogo para conquistar uma vaga nas quartas de final do torneio nacional. No último dia 17, em Porto Alegre, o time gaúcho venceu por 3 a 1. Para se classificar, o clube tricolor carioca terá que vencer por 2 a 0 ou por diferença de três ou mais gols. O rival se classifica mesmo se perder por 1 a 0 ou por dois gols de diferença, desde que faça pelo menos dois gols. Se o placar se repetir, a disputa será decidida nos pênaltis.

Os dois clubes vêm de derrotas fora de casa pelo Campeonato Brasileiro: no último sábado, o Fluminense perdeu para o Vasco por 3 a 2 e, no domingo, o Grêmio foi batido pelo Sport por 4 a 3. Há 25 jogos, o time gaúcho não perde por dois gols de diferença. O carioca aposta no ataque, que é o mais positivo do Brasil nesta temporada com 64 gols marcados.

O time carioca vai a campo mais uma vez com dois desfalques: o atacante Wellington Silva, que está com pubalgia (dor no púbis) e já desfalcou a equipe em três partidas, e o meia equatoriano Sornoza, que fraturou o tornozelo e deve ficar até três meses afastado. Ao comentar a ausência de ambos, o atacante Richarlison lançou uma polêmica: afirmou que o Grêmio "bate muito". "A marcação já era difícil com eles no time. Agora, com a saída do Wellington e do Sornoza, ficará mais. (Mas) Estou tranquilo, não dá para se abater. O time do Grêmio bate muito. Então, vamos com tudo para reverter o placar", afirmou.

Diante da acusação do rival, o volante gremista Ramiro discordou. "Cada um tem o direito de falar o que pensa, mas eu discordo da opinião dele. No Sul temos uma característica de marcar muito forte, mas, se você pegar os números da primeira partida, eles fizeram o dobro de faltas da gente. Isso não é argumento que possa entrar em nosso vestiário e afetar alguma coisa. Viemos para fazer uma boa partida, assim como fizemos lá, marcar muito forte sim sem a bola e, com a bola, procurar o jogo", declarou. No primeiro jogo, o Fluminense cometeu 22 faltas e o Grêmio fez 13.

Alheio à polêmica, o lateral-esquerdo gremista Cortez defendeu que seu time não jogue com o resultado. "Temos que entrar focados em dar o nosso melhor. Esquecer a vantagem e jogar de igual para igual, da maneira que jogamos contra todas as equipes. Temos que ter inteligência e postura de time grande, de Grêmio. Sabemos da nossa força, da qualidade do elenco".

No time tricolor carioca, o lateral-direito Lucas prevê uma partida difícil. "Vai ser um jogo complicado. O time deles é forte, a gente tem de imprimir o nosso ritmo e tentar pressioná-los para fazer o primeiro gol. Não podemos pensar em fazer dois gols sem fazer o primeiro. Temos de ser bem intensos, trabalhar a bola para chegar ao gol e, sem a bola, marcar muito bem. Vai ser um jogo tenso e difícil, mas temos de acreditar. Temos condições de passar de fase", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
futebol Copa do Brasil Fluminense Grêmio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.