Robert Michael/AFP
Robert Michael/AFP

Fora da Copa, Itália anuncia Roberto Mancini como novo treinador

Ele chega para comandar uma reforma na seleção nacional, após a campanha decepcionante nas Eliminatórias Europeias

Estadão Conteúdo

14 Maio 2018 | 17h46

A Federação Italiana de Futebol (FIGC) anunciou nesta segunda-feira o novo treinador da seleção nacional. Fora da Copa do Mundo da Rússia, a entidade apostou no experiente Roberto Mancini para tentar alavancar o time do país e esquecer o vexame recente, já pensando no Mundial de 2022, no Catar.

+ Fora da Copa, Itália confirma amistoso contra a Arábia Saudita na Suíça

+ Capello pede para seleção italiana começar do zero: 'Qualidade do time não é boa'

A FIGC informou que Mancini será oficialmente apresentado nesta terça-feira, mas não divulgou qualquer detalhe do contrato. Ele chega para comandar uma reforma na seleção nacional, após a campanha decepcionante nas Eliminatórias Europeias, que acabou com a queda diante da Suécia na repescagem.

Imediatamente após a eliminação da Copa, o técnico Gian Piero Ventura deixou o comando da seleção e o presidente da FIGC, Carlo Tavecchio, renunciou ao cargo. Desde então, o ex-meio-campista Luigi Di Biagio vinha sendo o treinador da Itália interinamente.

No país, já é especulado que a chegada de Mancini significará o retorno de Mario Balotelli à seleção. O treinador comandou o polêmico atacante na Inter de Milão e no Manchester City e sempre o elogiou. Sua primeira convocação será para os amistosos contra Arábia Saudita, dia 28 de maio, França, dia 1º de junho, e Holanda, três dias mais tarde.

Apesar da longa carreira como técnico, Mancini chega sob desconfiança à Itália, após seu último trabalho no Zenit. Apesar do alto valor investido para esta temporada, principalmente nos argentinos Mammana, Leandro Paredes, Kranevitter, Rigoni e Driussi, a equipe não passou de uma sexta colocação no Campeonato Russo. Até por isso, não colocou obstáculos para a saída do treinador.

Além do Zenit, Roberto Mancini, de 53 anos, trabalhou na Fiorentina, na Lazio, no Manchester City, no Galatasaray e na Inter de Milão, em duas oportunidades. Neste período, teve como maior destaque um título do Campeonato Inglês (2011/2012) e três do Campeonato Italiano (2005/2006, 2006/2007 e 2007/2008).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.