Anthony Devlin/AFP
Anthony Devlin/AFP

'Foram nove anos maravilhosos', diz Zabaleta após despedida em casa pelo City

Lateral-direito é festejado por torcedores e jogadores em vitória sobre o West Bromwich

Estadão Conteúdo

17 Maio 2017 | 17h02

Depois de nove anos e 333 partidas pelo Manchester City, o lateral-direito argentino Pablo Zabaleta fez na última terça-feira o seu último jogo no Etihad Stadium, em Manchester, ao entrar no segundo tempo da vitória sobre o West Bromwich por 3 a 1, pelo Campeonato Inglês. Homenageado pela torcida e pelos companheiros, ele comentou nesta quarta sobre o longo período em que atuou no clube.

"Foi tão bom e especial", destacou o argentino, ao lembrar as faixas e cartazes levados em sua homenagem pelos torcedores, que permaneceram no estádio após o apito final para homenageá-lo. "Tivemos alguns momentos difíceis no clube, mas eles me deixam ainda mais orgulhoso. Foram nove anos maravilhosos".

Contratado do Espanyol em 2008, Zabaleta analisou também a mudança de patamar do Manchester City logo após a sua chegada, quando o clube foi adquirido por Sheikh Mansour e se tornou uma das principais potências do futebol inglês.

"Quando eu cheguei no Manchester, obviamente, o clube vivia um período diferente, mas poucos dias depois tudo mudou. Os novos proprietários chegaram e eu entendi que precisávamos trabalhar duro para fazer um clube melhor. Foi realmente um trabalho árduo por muitos anos. Não podemos nos esquecer de onde viemos", acrescentou o argentino. "Tenho muito orgulho de ver onde o clube está hoje".

Alguns companheiros de elenco destacaram a contribuição nesses anos de Zabaleta, cujo contrato vence no final da temporada e, a seu pedido, não será renovado. Foi o caso do volante brasileiro Fernandinho. "Quando ele joga, deixa sempre 100% em campo. Por isso, todos o amam. Ele é um jogador muito, muito importante para o time devido aos nove anos que passou aqui. Obviamente, ele é um grande jogador, mas também é um líder, um grande cara e uma pessoa muito boa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.