Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Fracassos na Itália e na Argentina viram lição para Borja no Palmeiras

Colombiano relembra passagens fracassadas para tentar resolver problemas de adaptação ao Brasil

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

16 Maio 2017 | 07h00

Uma passagem longa, com títulos, gols e boa adaptação. Na terceira passagem pelo futebol do exterior o colombiano Miguel Borja se vê agora preparado para unir esses quesitos e ser feliz no Palmeiras. Agora mais maduro e confiante, o atacante garantiu nesta segunda-feira estar mais preparado para desfrutar de momentos diferentes em São Paulo após se frustrar na Argentina e na Itália.

O jogador teve passagens rápidas pelo Livorno, da Itália, aos 20 anos, e pelo Olimpo, da Argentina, aos 22. Por esses dois clubes, somados os períodos, atuou 24 vezes e fez somente três gols. "Foram momentos difíceis e de adaptação por estar longe da minha família. Eu aprendi bastante. Agora o que vivo no Palmeiras é motivo de felicidade e de orgulho para meus familiares, que me mandam energia", disse.

Borja se considera atualmente mais maduro para conviver com a pressão de ser artilheiro e a dificuldade de viver longe da família. A distância dos 11 irmãos e da mãe, que moram na Colômbia, o atrapalhou a se firmar nas duas equipes. A vontade de continuar mais perto dos parentes foi um dos fatores responsáveis por fazer o atacante aceitar o Palmeiras e recusar uma proposta mais vantajosa da China.

"Aos poucos vamos nos adaptando a São Paulo, tanto eu como minha família. Eu não estou sozinho. Tenho um filho e uma esposa que também precisam se adaptar. O clube tem nos ajudado", disse o colombiano. "Vamos a restaurantes, a shoppings. Faço de tudo para que a família se distraia, mesmo que a cidade seja muito grande", explicou.

Os dois gols marcados contra o Vasco, no domingo, pelo Campeonato Brasileiro, encerraram um jejum de cinco partidas e deram tranquilidade para o atacante. A boa atuação fez Borja voltar a postar nas redes sociais após quase duas semanas de interrupção. Um dos vídeos publicados foi uma previsão do filho, Samuel, de três anos, de que o pai faria dois gols no próximo jogo. A expectativa cumprida amenizou a cobrança sobre o colombiano, que chegou a seis gols com a camisa do clube.

A carreira dele tem passado por uma ascensão rápida. Há um ano o atacante defendia o modesto Cortuluá, onde fez 22 gols em 25 jogos e seguiu para seis meses de passagem pelo Atlético Nacional. O título na Copa Libertadores e os gols decisivos transforam o então atleta desconhecido em um dos principais atacantes em atividade no futebol brasileiro. "Quero esta temporada no Palmeiras dê orgulho para a minha família", comentou.

No elenco o zagueiro Yerry Mina é quem mais auxilia Borja na adaptação. Os dois foram companheiros no Independiente de Santa Fé, de Bogotá, na conquista da Copa Sul-Americana de 2015 e convivem também na seleção colombiana. O defensor, inclusive, incentivou o amigo em contatos por WhatsApp a aceitar a proposta para defender o Palmeiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S. Paulo

16 Maio 2017 | 07h00

Aqui na Colômbia o futebol brasileiro se transformou em uma fonte importante de notícias pela chegada de jogadores representativos de nosso país a clubes como Palmeiras, Flamengo, Santos, Vasco da Gama e Bahia, entre outros.

Porém, a transferência mais importante que se registrou na última temporada teve ligação com a ida do goleador Miguel Borja ao Palmeiras, por cerca de 10,5 milhões de dólares (cerca de R$ 33 milhõres) correspondentes a 70% dos seus direitos econômicos.

Em nosso país nós sabemos que Borja ainda não agrada totalmente e que as críticas podem ser ouvidas e lidas nos meios de comunicação brasileiros. Nesse sentido, eu penso que com o jogador nascido na cidade de Tierralta, no departamento de Córdoba, se deve ter paciência para que ele exploda no exigente futebol brasileiro.

Até agora, o colombiano tem três meses de Palmeiras e passa por um período de adaptação aos seus novos companheiros e ao ritmo de jogo. O bom desse caso é que com a chegada de Cuca como treinador, temos ouvido mensagens positivas e de motivação para o atacante. E Borja já respondeu e mostrou presença na goleada do último domingo sobre o Vasco, com dois gols.

Sobre a sua personalidade, em Brasil já devem saber que Borja é calado, retraído e tímido, de um perfil discreto e que impressiona. Não esperem que ele seja tão carismático como Yerry Mina, porque certamente que hoje o mais o colombiano quer é falar de gols e se destacar com boas atuações, pois o seu único desejo é triunfar em Palmeiras e se projetar ao futebol europeu.

Óscar Ostos é editor do site GolCaracol.com

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Campeonato Brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.