1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gol de Calleri no fim encerra jejum de vitórias do São Paulo

- Atualizado: 24 Março 2016 | 00h 56

Argentino ajuda time a confirmar o 1 a 0 no Botafogo, no Pacaembu

O atacante Jonathan Calleri salvou o São Paulo aos 44 minutos do segundo tempo com um gol quase sobrenatural diante do Botafogo, no Pacaembu, pelo Campeonato Paulista. Desequilibrado e com pouco ângulo, o argentino tirou um coelho da cartola no final do jogo e foi o responsável pelo placar sofrido de 1 a 0 nesta quarta-feira, encerrando um jejum de cinco jogos sem vitória do São Paulo.

Com o tento, Calleri também encerra um jejum pessoal. Seu último gol havia sido marcado no dia 8 de fevereiro, contra o Água Santa. Ao todo, foram dez jogos em branco. 

Calleri salvou o time com gol nos descontos
Calleri salvou o time com gol nos descontos

Calleri foi contratado como grande esperança de gols do Boca Juniors e teve início avassalador. Ele marcou três gols em dois jogos e encaminhou uma passagem marcante – seu contrato vai apenas até o final do semestre. O argentino havia marcado contra o Cesar Vallejo, pela fase de pré-Libertadores, e mais dois na partida contra o Água Santa. Em seguida, alternou boas e más atuações. Seu futebol caiu juntamente com a crise são-paulina. Deixou de fazer gols e também acumulou atuações apagadas. Ontem, parece ter dado o primeiro passo para recuperar a boa fase. 

O gol de Calleri foi uma espécie de redenção da equipe em uma noite difícil. Na patida, o treinador Edgardo Bauza errou no esquema tático inicial, voltou atrás no intervalo, mas não conseguiu mostrar um time criativo e dinâmico. O Botafogo é o lanterna do grupo do Santos e luta contra o rebaixamento. 

O argentino foi o jogador mais adiantado do novo esquema adotado pelo técnico Edgardo Bauza. Foram escalados três volantes para proteger a zaga e mais dois meias (Daniel e Ganso) para fazer a bola chegar ao ataque. Não houve articulação entre esses setores, no entanto. Calleri ficou isolado e praticamente não fez nada no primeiro tempo. 

O primeiro tempo foi sofrível, do ponto de vista da criação de jogadas. Daniel e Ganso fizeram apenas uma boa jogada, uma tabelinha no meio da etapa inicial. E a zaga também não foi protegida porque a melhor chance foi do Botafogo quando Denis salvou um chute no ângulo, aos 34.

Bauza soube voltar atrás e fez uma espécie de mea culpa no intervalo. Desmontou o esquema iniciou e escalou a revelação Lucas Fernandes no lugar de Carlinhos. Depois optou por Kardec para buscar o jogo aéreo e até Kelvin. Calleri, antes isolado, ganhou companhia e a equipe começou a pressionar principalmente no jogo aéreo.

A partida foi uma despedida simbólica do Pacaembu. O próximo jogo em casa, no dia 2 de abril, será no Morumbi, contra o Oeste. No final da partida, os quase três mil pagantes no Pacaembu, o pior público do São Paulo no torneio, engoliram a vaia que já estava ensaiada e aplaudiram. Mas apenas o atacante argentino.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 1 X 0 BOTAFOGO

SÃO PAULO: Denis; Caramelo (Kelvin), Maicon, Lugano e Bruno; Hudson, João Schmidt, Carlinhos (Lucas Fernandes), Daniel (Kardec) e Ganso; Calleri. Técnico: Edgardo Bauza.

BOTAFOGO: Neneca; Daniel, Caio Ruan; Mirita e Diego Pituca; Allan Dias, Rodrigo Thiesen, Alemão (Léo Coca) e Carlos Alberto (Mateus Mancini); Samuel Santos e Serginho (Diogo Campos). Técnico: Márcio Fernandes.

Gol: Calleri, aos 44 minutos do segundo tempo.

Juiz: Rafael Gomes Felix da Silva

Cartões amarelos: Samuel Santos, Carlos Alberto, Serginho, Bruno, Ganso e Maicon. 

Público: 2.978 pagantes.

Renda: R$ 129.026,00

Local: Pacaembu, em São Paulo.

São Paulo em 2016
Daniel Teixeira|Estadão
Santos aproveitou das falhas do São Paulo para vencer

Santos aproveitou das falhas do São Paulo para vencer clássico no Pacaembu por 3 a 0

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX