1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Governo garante trem-bala pronto até a Copa de 2014

JOÃO DOMINGOS - Agencia Estado

03 Junho 2009 | 19h 34

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, informou nesta quarta-feira, durante balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que o trem-bala ligando Campinas ao Rio de Janeiro, passando por São Paulo, ficará pronto até 2014, antes do início da Copa do Mundo. A previsão é de que no trem-bala sejam investidos cerca de U$ 15 bilhões (cerca de R$ 30 bilhões).

Dilma Rousseff disse ainda que o governo não pretende fazer investimentos na construção e melhoria dos estádios das 12 cidades que sediarão as diversas fases da Copa do Mundo. Isso deverá ser feito pelos Estados, municípios e pela iniciativa privada. A ministra afirmou que a atenção do governo federal será na mobilidade urbana das cidades que vão receber as delegações e os torcedores, como transporte urbano ou entre as cidades, como no caso do trem-bala, que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro.

"Pretendemos ter os trens em funcionamento em 2014, para a Copa do Mundo, até porque essa é uma região muito importante em termos de movimentação na Copa", disse a ministra. Durante o balanço do PAC, foi apresentado um filmete que simulou a saída do trem-bala do centro de Campinas e fez a viagem até o Rio de Janeiro. O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, fez as vezes de locutor e foi enumerando as cidades, numa animação montada em cima de fotografias de satélite.

As estações deverão ficar entre o centro de Campinas e a Estação Leopoldina, no Rio de Janeiro. Pelo traçado exibido - que pode não ser o definitivo, de acordo com Dilma Rousseff -, o trem-bala terá estações nos aeroportos de Viracopos, em Campinas, de Guarulhos, em São Paulo, e do Galeão, no Rio de Janeiro. Deverá parar ainda em estações que serão construídas no Campo de Marte, em São Paulo, em São José dos Campos e Volta Redonda. A intenção é fazer também estações alternativas em Aparecida do Norte e Jundiaí.

Dilma Rousseff disse que não há nenhum pacote fechado. E que o Brasil, ao contratar as obras, vai exigir a transferência de tecnologia para uma nova empresa, que será um instituto ou uma nova estatal. Essa empresa passará a atuar na área de tecnologia e cuidará dos metrôs, trens convencionais e outros trens-bala que vierem a ser feitos - depois do que vai ligar o Rio a Campinas, o governo planeja outros dois, de São Paulo para Belo Horizonte e de São Paulo para Curitiba.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo