Reprodução
Reprodução

Grandes seleções da Copa do Mundo de 1938

Bicampeã do mundo, Itália se destaca por vencer o Brasil desfalcado de Leônidas e a anfitriã França

O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 03h00

Vinda de uma vitória na Copa do Mundo de 1934, a Itália acrescentou nomes ao já forte elenco campeão e levantou a taça mais uma vez, passando por uma ótima geração da Hungria e pela seleção brasileira, que faria grande jogo contra a Polônia, mas pegaria os campeões com ausências importantes.

Confira a página especial sobre a Copa do Mundo de 2018

INFOGRÁFICO - Brasil, a camisa mais pesada do futebol mundial

ESPECIAL - 15 anos do Penta, nossa última conquista

ITÁLIA

Campeã em 1934, a Itália jogou a Copa de 1938 com uma seleção com algumas modificações, como a escalação de Foni e Rava na zaga. O uruguaio/italiano Michael Andreolo era a novidade do meio-campo, enquanto Piola comandava o ataque, que contava com Meazza e Ferrari, campeões quatro anos antes. E eles voltaram a ser campeões, com uma campanha perfeita de quatro vitórias em quatro jogos. 

BRASIL

Conseguindo superar o impasse político entre cariocas e paulistas, problema que enfraqueceu a seleção nas edições anteriores da Copa, o Brasil enfim foi a um Mundial com sua força máxima. Conseguiu uma vitória épica sobre a Polônia na estreia, passou pela Checoslováquia em um jogo de desempate nas quartas de final e só parou na campeã Itália na sequência, em um jogo em que não contou com Leônidas, o artilheiro daquela Copa. Mas faturou o terceiro lugar contra a Suécia. Assim, o time dirigido por Ademar Pimenta e que contava com nomes como Domingos da Guia e Romeu colocou o nome do Brasil no mapa do futebol mundial. 

HUNGRIA

Com um ataque poderoso, que contava com nomes como Zsengeller e Sarosi, ambos autores de cinco gols, a Hungria chegou com facilidade à final da Copa, passando pelas Índias Holandesas, a Suíça, e a Suécia, tendo sofrido apenas um gol nesses três compromissos. Perdeu a decisão para a Itália, mas fechou o torneio com o melhor ataque - 15 gols marcados em quatro jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.