Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Greve do metrô pega em cheio desembarque de dirigentes da Fifa

Futebol

Esportes

Copa 2014

Greve do metrô pega em cheio desembarque de dirigentes da Fifa

Dirigentes da Fifa se surpreendem com trânsito de São Paulo

0

Jamil Chade,
O Estado de S. Paulo

05 Junho 2014 | 10h13

A greve do metrô em São Paulo pega em cheio a chegada de alguns dos principais cartolas da Fifa, que acabam de desembarcar na capital paulista para reuniões da entidade. Ao Estado, um exausto Michel Platini não escondia a surpresa. "Levei duas horas e meia do aeroporto ao hotel", declarou. O ex-craque francês e atual presidente da Uefa está hospedado no Hotel Hyatt.

Quem também não deixou de se queixar foi o vice-presidente da Fifa, Jim Boyce. "Foram três horas de trânsito nesta quinta-feira", declarou, balançando a cabeça. Jacques Anouma, presidente da Federação de Futebol da Costa do Marfim e membro do Comitê Executivo da Fifa, também era explícito sobre a situação em São Paulo. "Bem-vindo ao país do trânsito", disse.

Na preparação do Brasil para a Copa, um dos pontos principais alertados pelos organizadores era justamente a mobilidade urbana e a capacidade das cidades de acolher milhares de turistas. Nesta quinta-feira, em São Paulo, a Fifa mantém sua última reunião com a cúpula do Ministério dos Esportes e CBF para repassar todos os detalhes da preparação.

Uma das preocupações é justamente com o acesso aos estádios. A entidade teme que jogos comecem com parte das arquibancadas vazias por conta do problema de transporte nas cidades sedes. O governo anunciou mega investimentos em todas as doze cidades que receberão a Copa. Mas parte das obras não ficará prontas e outras sequer foram iniciadas.

GREVE

Os metroviários decidiram em assembleia na noite de quarta-feira pela paralisação "por tempo indeterminado". O sistema chegou a ser completamente paralisado por um curto período no início da manhã, mas duas das cinco linhas voltaram a funcionar, e as outras três linhas (1-azul, 2-verde e 3-vermelha) operam parcialmente, de acordo com o Metrô-SP.

O movimento foi iniciado pela reinvidicação dos funcionários para reajuste salarial de 35,47% (7,95% de inflação mais 25,5% de aumento real). A companhia propôs reajuste de 8,7%, que foi rejeitada pelo sindicato da categoria.

Mais conteúdo sobre: