Indefinição marca estréia da Ponte

Depois de passar 11 dias isolado numa estância em Jarinu, distante 60 kms da capital, a Ponte Preta ainda não conseguiu definir o time titular para a estréia no Campeonato Brasileiro, marcada para Caxias do Sul-RS, domingo, diante do Juventude. As contusões estão atrapalhando os planos do técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, que só deve confirmar o time na sexta-feira, após o coletivo. Alguns jogadores já estão vetados para a estréia, como o meia Piá, com problema no joelho direito, e o atacante Hernani, com forte entorse no tornozelo. Mas o atacante Basílio, com entorse no tornozelo, deve ser liberado terça-feira e o zagueiro Alex, também com entorse no tornozelo, será reavaliado na quarta-feira. O meia Caíco, que sofreu um estiramento muscular, também deve ser liberado para o coletivo final. Esta, pelo menos, é a esperança de Vadão que praticamente abandonou sua idéia inicial de escalar três zagueiros. "Mesmo para formar o time no 4-4-2 eu ainda preciso ver com quem posso contar", avaliou o técnico que passou rapidamente pelo estádio Moisés Lucarelli, nesta segunda-feira. Ele tentou minimizar a derrota de 5 a 1 para o Jundiaí, domingo cedo, em Jarinu. "Atuamos com muitos garotos e vários reservas", justificou. Após a derrota o elenco foi liberado com a determinação de se apresentar nesta terça-feira no centro de treinamento do clube.

Agencia Estado,

05 Agosto 2002 | 15h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.