1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Invasores do Maracanã serão deportados, diz Polícia Federal

Jamil Chade, Tiago Rogero, Luiz Antônio Prósperi, Marcio Dolzan, Raphael Ramos, Ronald Lincoln Jr e Sergio Torres - O Estado de S. Paulo

18 Junho 2014 | 20h 33

88 invasores detidos pela Polícia Militar prestam depoimento na Cidade da Polícia, complexo que reúne 14 delegacias especializadas

Atualizada às 21h22

Os torcedores chilenos que invadiram a sala de imprensa do Estádio do Maracanã antes do jogo entre Espanha e Chile serão deportados, informa a Polícia Federal, caso não atendam a notificação de deixar o País em um prazo máximo de 72 horas. Se não cumprirem a notificação, a deportação ocorrerá de maneira "sumária".

Os 88 invasores, detidos pela Polícia Militar, prestaram depoimento na Cidade da Polícia, complexo que reúne 14 delegacias especializadas, no Jacarezinho, zona norte do Rio, a seis quilômetros do Maracanã. Entre os presos estava uma mulher.

Eles devem ser indiciados no artigo 41, item b, do Estatuto do Torcedor, que estabelece punições para aquele que "promover  tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos". A pena prevista é de um a dois anos de prisão e multa. Um representante do consulado chileno e outro do Itamaraty acompanharam os depoimentos.

No domingo, argentinos detidos por invasão ao Maracanã, durante o jogo contra a Bósnia, foram indiciados por "conduta inconveniente", que tem pena mais leve do que a prevista no artigo 41. Eles deveriam pagar uma cesta básica para serem liberados. No caso dos argentinos, no entanto, não houve dano ao patrimônio, como ocorreu na invasão chilena.

Do lado de fora da Cidade da Polícia, próxima de duas das favelas mais violentas da cidade, a de Manguinhos e a de Jacarezinho, pelo menos dez amigos dos detidos aguardam informações. Um deles era o chileno Luis Leite, que esperava Fabián Rojas, de 24 anos. Ele segurava um ingresso, que dizia pertencer a Rojas. "Nós nos perdemos. Marcamos de nos encontrar, mas ele não apareceu. Eu estava com o ingresso dele", disse Leite. O bilhete, no entanto, não era nominal a ninguém. 

Entre os detidos, havia pelo menos um argentino, Luis Thompson. "Estamos no Rio há cinco dias e não conseguimos comprar ingresso. Ele não invadiu. Foi preso do lado de fora do estádio", defendeu o argentino Pedro Garcia, amigo de Thompson. "Ele não é barra brava. É apenas um torcedor entusiasmado de futebol", disse.

Chilenos invadem o Maracanã
Fabio Motta/Estadão

Chilenos presentes na invasão alegam que tentaram comprar ingressos, mas não conseguiram

 

Copa 2014