Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Irritado, presidente da Ferrari critica erros 'feios' e promete mudanças

Sergio Marchionne não escondeu a irritação com as seguidas falhas da equipe no GP da Malásia

Estadão Conteúdo

02 Outubro 2017 | 17h02

O presidente da Ferrari, Sergio Marchionne, não escondeu a irritação com as seguidas falhas da equipe no GP da Malásia de Fórmula 1, no fim de semana. Nesta segunda-feira, ele admitiu que o time cometeu erros "feios" e prometeu mudanças no departamento que cuida dos motores da escuderia.

+ Vettel se mantém otimista, mas pede atenção com problemas na Ferrari

"Isto não é um grande problema quando acontece na fábrica. Mas é realmente feio quando você está com o segundo lugar no grid de largada, mas não consegue fazer a largada da corrida", criticou Marchionne, em evento realizado na cidade italiana de Rovereto, nesta segunda.

Os problemas no motor da Ferrari atingiram seus dois pilotos. O alemão Sebastian Vettel sofreu com o carro no sábado e não conseguiu registrar volta rápida no treino. Como consequência, precisou largar da última colocação no domingo. Já o finlandês Kimi Raikkonen enfrentou problemas de última hora antes da largada e não saiu dos boxes.

"Poderíamos ter vencido a corrida com qualquer um dos carros ontem", disse o presidente, antes de culpar os problemas no motor do time. "Ter este tipo de problema durante uma corrida nos deixa irritados." Ele indicou que as causas se devem à renovação do departamento da escuderia.

"Estamos trabalhando no departamento de qualidade da equipe e vamos fazer algumas mudanças organizacionais. Estamos intervindo no setor. Mas é um fato que estamos tendo problemas com os motores porque temos uma equipe jovem. E também porque a qualidade dos seus componentes não está a altura de uma corrida de carro", disse Marchionne.

Apesar dos problemas, Vettel conseguiu terminar a prova neste domingo e foi o quarto colocado. Mesmo assim, viu a diferença para o líder do Mundial de Pilotos, o inglês Lewis Hamilton, subir para 34 pontos.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Ferrari Sergio Marchionne

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.