Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Jô relembra viradas improváveis e espera Ponte Preta motivada na final

Atacante, que conquistou a Libertadores pelo Atlético-MG, promete Corinthians focado para confirmar título paulista

Nathalia Garcia, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2017 | 18h19

Em 2013, Jô liderou o Atlético-MG em viradas improváveis na Copa Libertadores até a conquista do título. Agora, ele vive situação oposta no Corinthians e está perto de ser campeão paulista com a vantagem confortável construída sobre a Ponte Preta na final após a vitória por 3 a 0 em Campinas. Experiente, o atacante espera um rival aguerrido em campo na Arena Corinthians no próximo domingo, às 16h, em Itaquera.

"Já passei por situações que consegui reverter e algumas difíceis, como a Libertadores com o Galo. A motivação é muito grande. Não sei se esse é o modo de trabalhar do Gilson Kleina, mas ele vai mostrar viradas históricas, que tudo é possível. Entendo muito bem o outro lado, sei o quanto estão motivados para pelo menos terminar com dignidade", afirmou.

O Corinthians, por outro lado, não quer deixar a Ponte Preta crescer na decisão. "Nós também temos exemplos de que, se jogar sério, correr, respeitar a equipe e focar no objetivo, a gente também consegue manter a vantagem para ser campeão”, disse Jô.

E o atacante não pensa em nada mais do que a vitória para faturar a taça do Paulistão. "Ninguém quer ser derrotado para ser campeão, quer fazer bom jogo e, se possível, ganhar, para mostrar para torcida o quanto o time pode crescer. A gente sabe que ser humano com uma vantagem tão boa acaba relaxando, mas esse grupo não vai deixar cair essa peteca."

Um dos artilheiros do Corinthians na temporada, Jô pode conquistar seu primeiro título como titular no time alvinegro. A iminente conquista pela equipe que o lançou como profissional faz o atacante considerar o momento como especial.

"É um momento mágico. Hoje vivo outra vida, sou referência como pessoa e jogando me sinto mais leve. Não me sinto sobrecarregado, a forma física atingiu o ideal pela sequência de jogos. É um dos melhores momentos da minha carreira", exaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.