Jogadores defendem Parreira e o "Quadrado Mágico"

O "Quadrado Mágico" da seleção brasileira não foi utilizado na partida deste sábado contra a seleção francesa. O técnico Carlos Alberto Parreira pela primeira vez começou o jogo com outra formação (à exceção do jogo contra o Japão, onde escalou reservas), colocando Juninho Pernambucano no time no lugar de Adriano, e a equipe saiu derrotada. Os jogadores não culparam a mudança nem o técnico Carlos Alberto Parreira pela derrota. Cada um fez uma análise parecida, procurando apontar falhas referentes à partida. "Não acho que foi um erro [o quadrado mágico ou a entrada de Juninho], foi uma alternativa e uma tentativa. Se desse certo todos iam elogiar. Não sei agora pensar nisso", disse o meia Kaká. Para o goleiro Dida, por exemplo, a maior falha do time foi não aproveitar as laterais, justamente o que fizeram os franceses. "Não é coisa fácil jogar contra a França. Aconteceu aquilo que a gente temia, as jogadas pelas laterais... Era a única maneira deles entrarem e conseguiram. Lá dentro do campo todos estavam querendo ganhar, é difícil jogar quando o adversário marca bem. Era tentar criar pela lateral e não conseguimos fazer isso no segundo tempo." Já o atacante Robinho não quis culpar nada e ninguém e ainda se esquivou de possíveis críticas ao técnico da seleção sobre uma possível demora na sua entrada em campo. "Isso é o professor quem pode dizer. Entrei e tentei ajudar o time, infelizmente não deu."

Agencia Estado,

01 Julho 2006 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.