Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Marin quita a fiança e se livra de ir para a prisão nos Estados Unidos

O ex-presidente da CBF, José Maria Marin, depositou nesta sexta-feira os US$ 231 mil (cerca de R$ 864 mil) que faltavam para honrar o acordo feito com a Justiça norte-americana e assim poder continuar em prisão domiciliar em Nova York. O prazo se encerrava nesta sexta e, se não tivesse conseguido fazer o pagamento, Marin corria o risco de ser mandado para uma prisão nos Estados Unidos.

Estadão Conteúdo

04 Dezembro 2015 | 20h28

O acordo previa pagamento de US$ 1 milhão em dinheiro, além de US$ 15 milhões em outras garantias. Marin estava com dificuldade para conseguir a quantia. Ele havia feito um depósito de US$ 769 mil (R$ 2,9 milhões) na última segunda-feira.

A operação da Justiça norte-americana contra a corrupção no futebol já recuperou aos cofres dos Estados Unidos mais de R$ 709 milhões, cerca de US$ 190 milhões, em multas e acordos de delação premiada. O valor não inclui as fianças pagas pelos dirigentes para que possam aguardar o julgamento em liberdade condicional.

Dos 41 indiciados no caso, pelo menos oito deles já fecharam acordos para cooperar nas investigações. Os entendimentos envolveram o pagamento do valor considerado pelos promotores norte-americanos como parte da fraude cometida.

Mais conteúdo sobre:
futebol CBF Fifa José Maria Marin

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.