1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Justiça dos EUA concede novo prazo para Marin negociar fiança milionária

- Atualizado: 22 Janeiro 2016 | 21h 38

Cartola precisa apresentar carta de crédito de R$ 8 milhões

A Justiça dos Estados Unidos acatou nesta sexta-feira o pedido dos advogados do ex-presidente da CBF, José Maria Marin, por mais um prazo para as negociações que envolvem a prisão domiciliar do ex-cartola. A defesa de Marin tem agora até o dia 5 de fevereiro para apresentar uma alternativa à carta de crédito no valor US$ 2 milhões (R$ 8 milhões) que deveria ter sido entregue no último dia 15.

Responsável pelo caso, o juiz Raymond Dearie, do Tribunal de Nova York, deu um visto à mão na carta entregue no último dia 14 pelo advogado Charles Stillman. No pedido pelo adiamento, a defesa alegou dificuldades em obter a carta de crédito e argumentou que todas as demais condições do acordo têm sido cumpridas.

A trajetória de José Maria Marin
Reginaldo Manente/Estadão
A trajetória de José Maria Marin

Marin foi jogador profissional durante cinco anos antes de ir para a política, onde se filiou ao partido Arena e atuou do regime militar

Mas além da burocracia, os advogados também consideraram os custos envolvidos na transação, que poderiam chegar a R$ 5,7 milhões devido aos juros, caso o processo se estenda por três anos.

A carta de crédito era o elemento final do acordo firmado entre Marin e a Justiça dos Estados Unidos para que o brasileiro permaneça em prisão domiciliar em Nova York, onde aguarda julgamento pelas acusações de fraude, conspiração e lavagem de dinheiro.

Após ser preso em maio de 2015 na Suíça com outros seis dirigentes de futebol, Marin foi extraditado em novembro para os Estados Unidos, onde aguarda julgamento em prisão domiciliar em seu apartamento de luxo na Quinta Avenida. O ex-cartola está sendo monitorado por tornozeleira eletrônica e arca com os custos das câmeras de vigilância em sua prisão domiciliar.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX