Juventude elimina Ponte em Campinas

O Juventude passou para a terceira fase da Copa do Brasil mesmo perdendo para a Ponte Preta, por 1 a 0, nesta quarta-feira à noite, no estádio Moisés Lucarelli. Como foi derrotado por 2 a 0 em Caxias do Sul, o time de Campinas precisava vencer por três gols de diferença para se classificar. Agora, a equipe gaúcha irá enfrentar o vencedor do confronto entre Fluminense e Paysandu. A Ponte cumpriu a promessa de atacar desde o começo do jogo. Quase abriu o placar antes do primeiro minuto, com um chute de Adrianinho, mas não demorou para chegar ao seu gol. O mesmo Adrianinho fez o cruzamento para a grande área, onde os zagueiros se preocupavam com o artilheiro Washington. Mas quem cabeceou sozinho foi o volante Roberto, fazendo 1 a 0 aos 12 minutos. Como precisa marcar pelo menos mais dois gols, a Ponte continuou no ataque, mas o Juventude se fechou ainda mais na defesa e chegou a abusar da violência para impedir o avanço do adversário. No segundo tempo, o técnico Ricardo Gomes tirou o volante Raone para a entrada do meia-atacante Michel no Juventude. Em seguida, Vadão também abriu mão do volante Roberto para a entrada do meia Caíco na Ponte. A Ponte, porém, não teve tranqüilidade para explorar as laterais do campo, insistindo muito nas jogadas pelo meio, sempre em busca de Washington, que foi bem marcado. A torcida também não perdoou os erros, vaiando o time em vários momentos. Nos últimos minutos do jogo, a Ponte partiu para o desespero. Aos 48 minutos, Washington marcou o tão esperado gol que levaria a decisão para os pênaltis, mas o árbitro anulou por considerar que o atacante teria tocado a bola com a mão. Com isso, a partida acabou mesmo 1 a 0. Após o jogo houve muita pressão em cima do trio de arbitragem. Na confusão, Washington alega ter sido agredido por um dos bandeirinhas.

Agencia Estado,

13 Março 2002 | 22h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.