AFP/ANP/Robin Van Lonkhuijsen
AFP/ANP/Robin Van Lonkhuijsen

Kuyt se aposenta após ser campeão holandês pelo Feyenoord

Veterano retornou ao clube já dois anos com a meta de vencer a competição nacional

O Estado de S.Paulo

17 Maio 2017 | 14h02

Dirk Kuyt, o veterano capitão que conduziu o Feyenoord ao seu primeiro título do Campeonato Holandês nos últimos 18 anos, deixou os gramados. Nesta quarta-feira, o atacante, de 36 anos, com passagens pela seleção holandesa, Liverpool e Fenerbahçe, teve a sua aposentadoria do futebol confirmada.

Kuyt retornou ao clube de Roterdã há dois anos dizendo que estava voltando com a meta de ser campeão holandês, algo que não conseguiu na sua passagem anterior, entre 2003 e 2006. E nesta quarta-feira ele comunicou ao técnico do Feyenoord, Giovanni van Bronckhorst, a sua decisão de deixar os gramados.

O anúncio se deu apenas três dias após Kuyt, que não vinha sendo titular no Feyenoord nos últimos meses, marcar os gols da equipe na vitória por 3 a 1 sobre o Heracles Almelo na rodada final do Campeonato Holandês, resultado que garantiu ao time o título nacional.

Depois dessa atuação histórica, nem a perspectiva de disputar a próxima edição da Liga dos Campeões da Europa na próxima temporada foi suficiente para convencer Kuyt a adicionar mais um ano na sua longa carreira.

As 19 temporadas de Kuyt como jogador profissional começaram no Utrecht, antes de sua primeira passagem pelo Feyenoord. Ele então se transferiu para o Liverpool, jogando seis anos em Anfield antes de ir para o Fenerbahçe, finalmente retornando ao Feyenoord.

Kuyt também disputou 104 partidas pela seleção holandesa, incluindo a final da Copa do Mundo de 2010, quando perdeu para a Espanha na prorrogação. Além disso, fez parte do grupo holandês no Mundial de 2006 e nas edições de 2008 e 2012 da Eurocopa.

O Feyenoord explicou que Kuyt permanecerá no clube em outra função. "Somos extremamente gratos a Dirk pelo que ele significou para o Feyenoord nos últimos dois anos", disse o diretor técnico Matin van Geel. "Com sua atitude, profissionalismo e paixão, ele acrescentou muito ao vestiário, no campo e fora dele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.