Ricardo Duarte/Inter
Ricardo Duarte/Inter

Léo Ortiz promete proteção extra a goleiro do Inter na final do Gauchão

Danilo Fernandes deve jogar no sacrifício

Estadão Conteúdo

04 Maio 2017 | 14h50

A grande dúvida no Internacional ainda é o nome do goleiro que entrará em campo no próximo domingo, às 16 horas, no estádio Centenário, em Caxias de Sul, contra o Novo Hamburgo, para a segunda partida da decisão do Campeonato Gaúcho. Para o zagueiro Léo Ortiz, independentemente de quem ocupar a posição, a equipe precisa montar um sistema de proteção da meta do time colorado.

"Foi uma infelicidade muito grande (as contusões dos três goleiros) mas acredito que, quem entrar, estará pronto pra jogar. Precisamos manter a marcação que sempre foi lá em cima para manter eles mais longe do nosso gol. E, quando estivermos com a bola, tentar não errar para não dar a abertura para um chute de longe", projetou o jogador em entrevista coletiva concedida antes da viagem da delegação para Viamão, onde permanecerá concentrada até esta sexta.

O jovem Keiller, segundo reserva da equipe, está vetado pelo departamento médico devido à uma luxação no cotovelo esquerdo sofrida na primeira final do Gauchão, em Porto Alegre (empate em 2 a 2). Marcelo Lomba, que sofreu uma lesão muscular na coxa direita, e Danilo Fernandes, titular do time, que fraturou o dedo mínimo do pé esquerdo, ainda estão em processo de recuperação.

Existe a possibilidade do retorno de Danilo, que sofreu uma fratura no dedo mínimo do pé esquerdo. O preparador físico da equipe colorada, Daniel Pavan, ressaltou a luta do jogador para voltar, em entrevista após a primeira partida da decisão do Estadual. "No momento que soube da lesão do Lomba, o Danilo tinha se colocado à disposição. Queria jogar. Sabíamos que não era o ideal, mas ele veio pedir para jogar. Ele jogou com lesão na coxa, nariz quebrado. É um guerreiro. Não está descartada a volta dele", admitiu o preparador físico do Inter.

O elenco já treinou na cidade de Viamão, onde deve permanecer até a noite desta sexta-feira. Depois, a delegação viaja para Caxias do Sul. O empate no primeiro jogo obriga os dois clubes a vencer para levantar a taça de campeão gaúcho. Um novo resultado de igualdade provocará uma definição nos pênaltis.

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.