JF Diorio / Estadão
JF Diorio / Estadão

Lugano diz que Rogério Ceni faltou na aula de 'encantador de serpentes'

Uruguaio utiliza explicação que deu sobre Tite para justificar críticas ao técnico do São Paulo

Estadão Conteúdo

18 Maio 2017 | 14h34

Um dos líderes do elenco mesmo quase sem oportunidade de atuar, o zagueiro Diego Lugano foi o escolhido para a coletiva de imprensa desta quinta-feira no São Paulo. Diante dos maus resultados recentes da equipe e do princípio de crise que se instaura no clube, o uruguaio saiu em defesa do técnico Rogério Ceni e descartou qualquer problema do elenco com o comandante.

"Todo mundo aqui dentro conhece o Rogério. Ele tem uma metodologia de trabalho moderna, é exigente como os jogadores. É honesto, frontal. É o mesmo como técnico como era como jogador. É um cara que mesmo na hora ruim protege o atleta, apesar da cobrança que existe. No vestiário os jogadores valorizam isso. A imprensa condena o treinador que publicamente defende seus atletas e valoriza quem leva fatos ao público. Falei para ele que ele faltou na aula mais importante de um treinador, que é a de ser encantador de serpentes. Essa parte ele deveria fazer melhor", afirmou Lugano. 

Ele usou para Rogério Ceni uma citação que fez ao comentar o trabalho do técnico Tite ao programa Bola da Vez, da ESPN Brasil. Naquela oportunidade, o uruguaio afirmou "que o Tite tem, a parte mais forte, é que é um grande encantador de serpentes, porque tem todos da imprensa adormecidos."

O apoio do zagueiro vem em uma semana turbulenta para o São Paulo. Não bastassem as quedas precoces no Campeonato Paulista, na Copa do Brasil e na Sul-Americana, rumores deram conta de uma reação exagerada de Ceni após a derrota para o Corinthians no Estadual, que teria terminado com o treinador acertando uma prancheta em Cícero acidentalmente. Para Lugano, o momento de crise é natural diante dos resultados.

"Quando os resultados não vem em um clube grande como o São Paulo, é complicado. O time precisa urgentemente de um título, a pressão aumenta, o torcedor fica mais sensível, a imprensa pressiona mais. É o momento de apanhar, fechar a boca, escutar e trabalhar. Tratar de melhorar, ser autocrítico, saber que o resultado não está bom. Algo está faltando. Cada um precisa dar sua contribuição para que depois o coletivo possa melhorar. Se alguém tiver outra sugestão, pode me falar que eu aceito", comentou.

Lugano, no entanto, fez questão de ressaltar o empenho do elenco em meio à má fase. "Aqui ninguém gosta de perder. Está em o jogo o prestígio de todos nós: jogadores e treinador. Somos muito afetados pelo que vem acontecendo. O Rogério sabe muito bem o que significa o que aconteceu. Ele depende de resultados, assim como qualquer treinador para ser vencedor. Ele não aceita derrotas. São personalidades que identificam esportistas de alto nível."

Mais conteúdo sobre:
São Paulo FC futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.