1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Luiz Felipe Scolari revela preferência pelos números 7, 11 e 17 na seleção

Almir Leite, enviado especial - O Estado de S. Paulo

04 Março 2014 | 09h 50

Ele prefere que jogadores 'diferentes' usem essa numeração nas costas

JOHANNESBURGO - Luiz Felipe Scolari não interfere na numeração das camisas dos jogadores da seleção brasileira, mas sempre que participa da escolha, ele dá atenção especial aos números 7, 11 e 17. Esses três números são os preferidos do treinador e, por isso, ele gosta de ver jogadores que de alguma maneira têm algo diferente dos outros vestindo essas camisas.

Foi assim, por exemplo, na Copa do Mundo de 2002, disputada no Japão e na Coreia do Sul, e que teve o Brasil como campeão. O então atacante Denilson jogou com a camisa 17. "Por que eu escolhi essa camisa para ele? Porque ele era diferente. E, no final, foi o diferente daquela seleção", disse Felipão na manhã desta terça-feira, num papo descontraído e informal com alguns jornalistas no saguão do hotel em que a seleção brasileira está concentrada para a partida amistosa de quarta-feira contra a África do Sul.

O treinador contou que sua preferência pelos três números nasceu durante uma viagem de férias ao Chile, com a mulher e a sogra. Na ocasião, o ex-zagueiro Figueroa o convidou para ir a um cassino em Valparaíso. Ele jamais havia ido a um local de jogos desse tipo, relutou, mas acabou aceitando. Lá, ao jogar na roleta, escolheu os números 7, 11 e 17 e do grupo, foi o único que ganhou um dinheirinho. "Comprei 50 dólares em fichas, distribui entre meu pessoal e, com a minha parte, recuperei o que tinha gasto e ainda levei uns outros 50 dólares para casa", recordou.

Mas, em relação à numeração da seleção brasileira para a Copa do Mundo, ele não pretende interferir. Vai reunir os jogadores e pedir que eles escolham os números de suas camisas - com exceção dos goleiros, que a Fifa determina que vistam as camisas 1, 12 e 22. Na Copa das Confederações, por exemplo, Neymar, que até então vestia a 11, escolheu jogar com a 10 e foi atendido. Durante a competição, o ex-jogador santista fez valer sua condição de protagonista e tornou-se o principal destaque dentro de campo na conquista do título.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo