Luizão: Corinthians contra-ataca

Os advogados do Corinthians começaram nesta quinta-feira a preparar uma nova ofensiva na batalha judicial que travam contra o atacante Luizão. A linha de defesa já está definida. Os advogados vão questionar a tese do atacante, segundo a qual haveria uma fraude no contrato de trabalho com o clube. O jogador alega que o contrato de direito de imagem, na verdade, seria uma forma de esconder parte do salário. ?Ele alegou que o contrato é uma fraude e não provou. Mas nós vamos provar que existia, de fato, um contrato de direito de imagem e que a decisão do juiz foi tomada com base numa informação equivocada?, explicou o advogado Marcelo Gômara. O advogado informa que no recurso, o clube vai pedir indenização milionária: US$ 7 milhões que teria pago pelo passe e mais US$ 53 milhões de multa rescisória. De acordo com sentença do juiz Glener Pimenta Stroppa, da 12ª Vara de Justiça do Trabalho, o jogador foi autorizado a romper seu contrato com o Corinthians e o clube condenado a pagar uma indenização de aproximadamente R$ 5 milhões, referente a atrasos nos salários e multas decorrentes destes atrasos. Por se tratar de uma sentença de mérito, o advogado admite que será muito difícil reverter a situação, mas ele garante estar confiante. ?O contrato de direito de imagem não só existe, como é indispensável em casos como esses. A CBF luta até hoje por conta de um processo movido por jogadores só porque decidiu usar figurinhas dos campeões do mundo sem autorização?, lembrou. ?O Corinthians não poderia correr riscos deste tipo?, explicou. O advogado reconheceu, porém, que as chances de Luizão voltar a jogar no clube num médio prazo são praticamente nulas. Esse processo, diz ele, deve durar pelo menos 1 ano e meio. Luizão, inclusive, já estaria acertando sua transferência para o Herta Berlim, da Alemanha. IMPOSTOS - Sobre a possibilidade de o clube e o jogador serem investigados pela Receita Federal por terem deixado de recolher impostos sobre o contrato em discussão, o advogado corintiano foi categórico. ?Nós recolhemos impostos referentes aos contratos. Se o Luizão achava que o salário e o contrato de imagem eram a mesma coisa, ele tinha que recolher impostos sobre eles?, disse. LUÍS MÁRIO - Gômara disse ainda que o meia Luis Mário não está liberado para deixar o Corinthians, como chegou a ser anunciado ontem. "Nós temos uma liminar da 7ª Vara Cível, impedindo que ele acerte com qualquer outra equipe", disse. Na quarta-feira à tarde, o juiz Evídio de Sá, da 53ª Vara de Justiça do Trabalho, deu parecer favorável ao jogador e o liberou para acertar sua transferência para o Grêmio sem pagar a quantia de R$ 4,5 milhões ao Corinthians a título de indenização. "A liminar da 7ª Vara, do dia 6 de fevereiro, ainda está em vigor", garantiu o advogado corintiano.

Agencia Estado,

07 Março 2002 | 13h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.