Lusa enfrenta tabu na Copa do Brasil

Depois de quebrar um tabu domingo, quando venceu o Americano, por 2 a 1, pelo Torneio Rio-São Paulo, conquistando pela primeira vez no ano, duas vitórias seguidas, a Portuguesa começa nesta quarta-feira, diante do Bahia, às 19h30, na Fonte Nova, outra proeza: chegar às quartas-de-final da Copa do Brasil pela primeira vez em sua história. Mas a missão não vai ser fácil. Para este primeiro compromisso, o técnico Valdir Espinosa tem problemas para escalar o time. Seu principal jogador, o atacante Ricardo Oliveira, artilheiro da Lusa na temporada com 14 gols, foi expulso diante do Criciúma e não atua. Para piorar, o lateral esquerdo Paulo Fabrício também está suspenso (3.º cartão amarelo). O treinador já não vem contando com a presença dos volantes Élson e Sandro Fonseca, em fase de recuperação de contusões musculares, no joelho direito e coxa esquerda, respectivamente. Na vaga de Ricardo Oliveira, o garoto Alex Afonso, de 21 anos, completados domingo, começa como titular. "É a chance que estava esperando há tempos", disse o jogador, que faz parte dos titulares desde o segundo semestre de 2000 e era considerado o substituto do ídolo Leandro. Porém, as contusões atrapalharam seu início de carreira. Apesar da pouca idade, já foi submetido a três cirurgias no joelho. Alex formará dupla com Sinval. Alex acredita que está oportunidade é a chance de, enfim, decolar no futebol. No início do ano, ajudou a Lusa a conquistar a Taça São Paulo de Juniores. Além do forte chute, chama a atenção por ser especialista nas bolas altas. Na lateral esquerda, o substituto imediato de Paulo Fabrício é o recém-promovido Júlio, também campeão de Juniores. Mas como o atleta nunca atuou entre os titulares, o treinador resolveu improvisar Márcio Goiano na esquerda e dar nova chance para Alexandre Chagas na direita. "Tenho de fazer o que é melhor para a Portuguesa," disse. Como a Lusa decide a vaga em casa, Espinosa mantém o esquema cauteloso, com três volantes, Marcus Vinícius, Souza e Ricardo Lopes. O meia Uribe continua entre os suplentes. O treinador não esconde de ninguém que atuará nos contra-ataques, pretende não sofrer gols e, se possível, marcar.

Agencia Estado,

26 Março 2002 | 17h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.