Susana Vera/Reuters
Susana Vera/Reuters

Madrilenhos estão perto da 33ª conquista em sua história

Cristiano Ronaldo tem tudo para festejar mais uma taça. Neymar e Messi esperam por milagre na última rodada

Ciro Campos e Felippe Scozzafave, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2017 | 17h00

Ao contrário dos últimos anos, é o Real Madrid quem tem vantagem sobre o Barcelona para confirmar o 33.º título espanhol na história. Para ficar com a taça, a equipe precisa de um empate fora de casa contra o Málaga. Caso perca, tem de torcer por um tropeço do maior rival, que encara o Eibar no Camp Nou.

Com vitórias das duas equipes em seus respectivos jogos, o Real sagra-se campeão, e se confirma como o maior campeão espanhol de todos, encerrando uma série de quatro anos sem o título do Nacional.

Nas últimas dez temporadas, os madrilenhos levaram a taça em três ocasiões, contra seis do Barcelona no mesmo período.

Apesar disso, o momento da equipe de Madri é altamente positivo: além da proximidade do título espanhol, está na final da Liga dos Campeões pela 12.ª vez. O adversário é a Juventus.

Muito dessa boa fase se deve ao trabalho do técnico Zidane, que, desde que assumiu, encaixou um estilo de jogo e tornou seu time quase imbatível. Em suas mãos, o time ficou 40 partidas sem perder.

O Barcelona vive ciclo de transição. O técnico Luis Enrique sairá ao fim da temporada e não tem o substituto definido. Eliminado nas quartas da Liga dos Campeões, a equipe vê a chance de redenção neste Espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.