1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Mais 'ajuizado', Jô celebra presença na Copa do Mundo

Almir Leite - Enviado especial a Teresópolis - O Estado de S. Paulo

09 Junho 2014 | 14h 42

Atacante da seleção atribui ao presidente do Atlético-MG e o ex- treinador Cuca a 'culpa' por mudança de comportamento na carreira

O atacante Jô admite que o fato de ter tomado juízo o levou à recuperação na carreira e, por consequência, à seleção brasileira. Reserva de Fred na equipe que disputa a partir de quinta-feira a Copa do Mundo, o jogador diz que a ida para o Atlético Mineiro e a presença da família foram fundamentais para que reagisse depois de uma passagem apagada e marcada por atos de indisciplina pelo Internacional gaúcho. Agora, diz Jô, é olhar só para a frente.

"Quando cheguei no Atlético tive um respaldo grande do presidente (Alexandre) Kalil e do Cuca (então treinador da equipe). Eu não vinha bem e quando você se sente abraçado, fica feliz para trabalhar. E também tive o apoio da família e dos amigos. Eles me deram dura e uns puxões de orelhas e eu aprendi."

O atacante de 27 anos está desde 2012 no Galo e não demorou muito para se firmar como artilheiro. Em 2013, teve chance de chegar à seleção nas vésperas da Copa da Confederações, quando o então preferido de Felipão, Leandro Damião, se machucou. Ele aproveitou a chance e conquistou a confiança do treinador.

Estar preparado para aproveitar as oportunidades é outra qualidade que Jô diz ter. "Eu estava concentrado em Volta Redonda para um jogo com o Atlético quando fui chamado e soube aproveitar. Você tem de estar preparado, independentemente das circunstâncias'', disse. 

Na época, ele voou para Porto Alegre e chegou na véspera do amistoso da seleção contra a França, o último antes da Copa das Confederações. Jogou alguns minutos, depois entrou em algumas partidas do evento-teste para a Copa do Mundo, fez gols e garantiu um lugar no grupo.

No entanto, Jô tem consciência de que na seleção é reserva de Fred. E não se importa. Tem como principal objetivo ajudar o grupo. "Essa é a minha primeira obrigação'', definiu. E espera fazer isso valendo-se também de sua estatura (tem 1,90mt ). "Hoje a bola parada muitas vezes define do futebol. E com minha altura posso tirar proveito disso."

Copa 2014