Montagem com fotos de Andrew Yates/Reuters e Vasil Donev/EFE
Montagem com fotos de Andrew Yates/Reuters e Vasil Donev/EFE

Liga Europa: Manchester United e Ajax fazem final em luto após atentado

Equipes disputam o título nesta quarta-feira, em Estocolmo

Yassine Khiri, AFP

24 Maio 2017 | 07h00

A final da Liga Europa entre Manchester United e Ajax, nesta quarta-feira, ganhou contornos de luto após o atentado na cidade inglesa.

A Uefa, entidade que organiza a competição, se declarou machucada depois da explosão na noite da última segunda-feira, mas tranquilizou os torcedores que comparecerão à partida em Estocolmo. O órgão garantiu que levou em conta o risco terrorista desde o início dos preparativos.

"Nossos pensamentos estão com as vítimas e as famílias das pessoas afetadas", indicou a Uefa em comunicado.

Um homem detonou um explosivo na Manchester Arena, durante a saída do show da estrela pop americana Ariana Grande. Ao menos 22 pessoas morreram e 59 estão feridas, entre elas muitos jovens e menores de idade.

"Não existe atualmente nenhuma informação específica que possa indicar que as final da Liga Europa possa ser alvo de ataques", acrescentou a entidade europeia.

Além disso, a Uefa indicou que "várias medidas de segurança extras foram colocadas em ação após os ataques de Estocolmo, em abril".

O técnico português, José Mourinho, demonstrou solidariedade com as vítimas. "Estamos todos muito tristes pelos eventos trágicos da última noite. Não podemos tirar as vítimas e os familiares das nossas cabeças e de nossos corações", afirmou Mourinho em comentário pelo Twitter.

"Temos um trabalho para fazer e vamos voar para a Suécia para realizá-lo. É uma pena que não possamos viajar com a felicidade que sempre temos antes de um grande jogo", acrescentou o treinador.

Beckham de coração partido

A onda de choque alcançou o mundo do futebol. David Beckham, antigo ídolo dos Diabos Vermelhos, declarou pelo Instagram que está "com coração partido". "Como pai e ser humano, o que aconteceu me entristece profundamente. Meus pensamentos vão para aqueles que foram afetados por essa tragédia".

Gary Lineker, ex-jogador da Inglaterra e comentarista de televisão, tuitou: "Ataque a crianças em um show vai além do compreensível. Além da loucura, além do mau".

O futebol em Manchester se mobilizou depois da tragédia. No Etihad Stadium, campo do Manchester City, uma estrutura de acolhimento foi instalada para dar apoio às pessoas que estavam próximas a explosão.

No Old Trafford, as bandeiras do clube foram hasteadas a meio mastro: "Estamos profundamente abalados pelos acontecimentos terríveis da noite passada. Nossos pensamentos e orações estão com as pessoas atingidas", tuitou a equipe.

O atacante do time, Jesse Lindgard, também se manifestou: "Estaremos juntos nessas horas sombrias".

Os Diabos Vermelhos cancelaram a coletiva de imprensa que antecede a partida em Estocolmo, enquanto o Ajax também se mostrou solidário com a mensagem de apoio: "Desde Amsterdam, nossos pensamentos estão com as vítimas".

É preciso jogar

Os jogadores do United devem jogar com uma faixa de luto no braço. Os comandados de Mourinho sabem que uma eventual vitória pode ganhar outro sabor após o atentado. E na final de quarta-feira,  também está em jogo a vaga na próxima Liga dos Campeões.

O Ajax, vice-campeão holandês, não precisa vencer para chegar à competição. Mas para o United, sexto no Campeonato Inglês, o título é a última chance de disputar o torneio após medíocre temporada.

O jogo já chamava as atenções por conta das estrelas em campo, como Paul Pogba, jogador mais caro da história do futebol contratado por 105 milhões de euros. Do lado holandês, Kasper Dolberg, de 19 anos, é o símbolo da juventude triunfante do Ajax.

Mas em Estocolmo, jogadores e torcedores terão os pensamentos voltados ao que aconteceu em Manchester.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.