1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Mano já exibe confiança em classificação na Copa do Brasil

FÁBIO HECICO - O Estado de S. Paulo

01 Setembro 2014 | 08h 05

Tpecnico quer que atletas 'virem a chavinha' e passem a se concentrar no decisivo confronto contra o Bragantino, na quarta-feira

Assim que o árbitro apitou o fim do jogo com o Fluminense, neste domingo, no Itaquerão, o técnico Mano Menezes já "virou a chavinha" para a Copa do Brasil. Ciente de que o time precisa de apoio para reverter a derrota por 1 a 0 para o Bragantino sofrida em Cuiabá, ele pediu para a torcida jogar junto que a vaga virá, na próxima quarta-feira, em novo confronto na casa corintiana.

"No futebol, você joga 70 minutos em cima do adversário, ele escapa uma vez e vence por 1 a 0. Mas não podemos deixar isso acontecer, sabemos do nosso favoritismo, da nossa responsabilidade como clube, e se formos fortes como a segunda parte deste jogo, com a torcida nos apoiando, vai ser difícil o adversário resistir", afirmou.

Mano está preocupado com o psicológico de seus jogadores. No intervalo diante do jogo contra o Fluminense, que terminou em 1 a 1, a torcida cobrou uma reação na quarta-feira. O técnico teme que as cobranças atrapalhem. Também pede calma, já que não terá Gil e Elias, ambos com a seleção brasileira, Ferrugem, suspenso, além de Lodeiro e Guerrero, estes com as respectivas seleções de Uruguai e Peru.

Evelson de Freitas/Estadão
Mano Menezes está preocupado com o psicológico de seus atletas antes da decisão de quarta

"É ruim jogar com muitos desfalques, mas acredito nos que irão entrar. Copa do Brasil tem sua característica própria e vamos ter de passar com todos os problemas. Temos capacidade de ser fortes, podemos fazer um jogo para classificação", aposta Mano.

O treinador só não admite uma nova apresentação ruim como a deste domingo. Ao menos a do primeiro tempo, no qual não chegou ao ataque, sofreu gol e saiu de campo vaiado.

"Fizemos um primeiro tempo ruim, abaixo da capacidade da equipe. Tivemos muita dificuldade pra sair de trás, e tive de mostrar isso pros jogadores no vestiário", afirmou. "Tivemos muita coisa pra mostrar, que num jogo grande, com adversário de qualidade, que não se pode rifar a bola, senão dá o que ele quer. E o Fluminense é uma equipe que joga. Precisávamos rever isso e na segunda etapa, com uma alteração, o empurramos para trás e o time merecia ter virado o jogo", garantiu. "Claro, corremos alguns riscos, mas foi uma equipe completamente diferente. Esse espírito que tem de ter na quarta-feira", completou.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo