Cristiane Mattos / Cruzeiro
Cristiane Mattos / Cruzeiro

Mano Menezes evita confirmar permanência, mas admite priorizar Cruzeiro

Treinador tem contrato até 31 de dezembro deste ano e ainda não conversou com a diretoria sobre renovação

Estadão Conteúdo

12 Outubro 2017 | 10h34

Recuperando-se de um procedimento na pele e presente nos camarotes da Arena do Grêmio, onde o Cruzeiro venceu o time gaúcho por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, pelo Campeonato Brasileiro, o técnico Mano Menezes assegurou que sua prioridade é permanecer no clube mineiro. Ainda assim, ele evitou comentar que a renovação está próxima.

+ Confira a tabela do Brasileirão 2017

Mano tem contrato até 31 de dezembro deste ano e, apesar do título da Copa do Brasil, pode não permanecer em 2018. Especulado como substituto de Cuca no Palmeiras, o técnico não teria aprovado certas mudanças na diretoria do Cruzeiro.

"Tenho contrato com o Cruzeiro até 31 de dezembro. Está tudo bem. Depois disso, a gente senta e renova o contrato ou não renova. Já pensei (em dar continuidade), já disse isso no final da Copa do Brasil, quando me perguntaram", avisou o treinador.

Para permanecer no clube, segundo acrescentou Mano, seria importante ter um projeto para o próximo ano, quando o Cruzeiro disputa a Copa Libertadores. "O mais importante é as coisas estarem claras para todos os lados, porque será um ano importante para o clube. Sabemos como são as expectativas. Quando se cria expectativa, precisamos criar maneiras de atender essa expectativa do torcedor para que esse momento bom não vire frustração no ano que vem. Isso é o mais importante de tudo."

Substituído pelo auxiliar Sidney Lobo nos últimos dois jogos, Mano revelou também que está pronto para retornar aos trabalhos. "Estava precisando ficar um tempinho parado por orientação médica, mas estou liberado para voltar a trabalhar normalmente. Então, isso deixa a gente feliz, assim como o desempenho da equipe", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Cruzeiro Esporte Clube Mano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.