Mano testa Cruzeiro com três volantes por ausência de Rafinha contra o Santos

Tendência é que o treinador mande para o gramado uma escalação mais defensiva

O Estado de S.Paulo

26 Maio 2017 | 18h14

O técnico Mano Menezes despistou sobre a escalação do Cruzeiro para a partida deste domingo, às 16 horas, contra o Santos, no estádio da Vila Belmiro, em Santos, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, mas deu a entender que utilizará um sistema com três volantes - Hudson, Henrique e Ariel Cabral - em razão da ausência do meia Rafinha, que está contundido. Para o treinador, que defende uma postura mais cautelosa contra o time paulista, o argentino poderá dar agilidade na saída de jogo cruzeirense.

"Desde o inicio, a gente vem elogiando essa característica dele. É importante para uma equipe saber dosar o jogo. E, às vezes, dosar o jogo não é partir para a última etapa ofensiva. Porque o adversário está bem postado e você vai enfrentar uma parede e você perde a bola. E aí o jogo começa a ficar muito 'lá e cá'. E se tem um lugar que o jogo não pode ficar 'lá e cá' é na Vila", analisou o técnico em entrevista coletiva nesta sexta-feira na Toca da Raposa II, em Belo Horizonte.

Outra alternativa testada pelo comandante celeste no coletivo foi com a entrada do meia-atacante Rafael Marques, recém-chegado do Palmeiras. Entretanto, Mano Menezes frisou que as opções observadas nos treinamentos não serão necessariamente colocadas em prática na próxima partida da equipe.

"Em uma semana cheia abre-se a possibilidade de se trabalhar algumas coisas. Elas serão usadas imediatamente ou depois, um pouco mais na frente. A gente não tinha visto o Rafael como se comportava. É um jogador que chegou e estamos conhecendo as suas características. Então, era isso que estava fazendo ontem (quinta-feira), vou fazer hoje (sexta) e aí decidimos a formação que a gente vai iniciar", despistou o treinador.

Mano Menezes também rebateu a avaliação sobre a maneira que tem armado o time, considerada muito defensiva por alguns críticos e que pedem uma formação mais agressiva. "O treinador não pode ter uma nota só. O que vai dizer como vai ser o jogo ou determinados momentos que a gente atravessa é lá dentro. O Cruzeiro já ganhou propondo o jogo, já perdeu propondo o jogo. Acho que o Cruzeiro está bem na temporada. Teve uma eliminação que estava fora dos planos (na Copa Sul-Americana). Perdeu uma final, porque uma final você ganha ou você perde. Mas não tem nada de desastroso nisso. Senão, teremos que achar que o Barcelona também foi desastroso na temporada. Acho que o Cruzeiro está no caminho que imaginei", afirmou.

O volante Hudson defendeu a estratégia adotada pelo treinador e destacou que a utilização de três volantes não torna uma equipe necessariamente retrancada. "É um opção que ele está testando. Claro que tem uma visão um pouco mais defensiva aos olhos da imprensa. Mas se os dois volantes que estiverem com mais liberdade tiverem a atitude de chegar mais à frente, pode deixar o time também ofensivo. É uma opção a mais para situações no campeonato que podem surgir", ressaltou.

Além de Rafinha, o volante Robinho também desfalcará o Cruzeiro no jogo deste domingo, em Santos. O clube ainda aguarda pela chegada do atacante Sassá, que deixou o Botafogo e deverá se integrar ao elenco nos próximos dias.

Mais conteúdo sobre:
Futebol futebol Cruzeiro Mano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.