Marques x Loebeling: nova acareação

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) da Confederação Brasileira de Futebol, decidiu por nova acareação entre o ex-presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Armando Marques e o árbitro da Federação Paulista de Futebol Alfredo Loebeling, ambos afastados por tempo indeterminado. O responsável pelo inquérito, o auditor do STJD , Marcos Basílio, decidiu pela nova acareação ao descobrir fatos novos e depois de ter obtido mais documentos sobre o caso. Loebeling e Marques serão ouvidos amanhã às 11 horas na sede da CBF. Depois da nova acareação, Basilio enviará o relatório para o procurador do STJD, Fernando Augusto Riveiro, que decidirá pelo julgamento ou não do caso. O presidente do STJD, Luiz Zveiter, considerou a questão gravíssima. O CASO - Loebeling foi o árbitro da partida entre Figueirense e Caxias, dia 22 de dezembro passado, pelo quadrangular final da Série B do Campeonato Brasileiro, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. O árbitro paulista acusou o ex-presidente da Comissão de Arbitragem de coação. Na primeira acareação entre Loebeling e Marques, dia 28 de janeiro último, o árbitro ratificou em carta-denúncia apresentada ao presidente do STJD, Luiz Zveiter, onde informou ter sido coagido por Marques, que o obrigou a alterar a súmula da partida - o Figueirense venceu por 1 a 0. Loebeling relatou na súmula que a torcida do time catarinense invadira o campo, obrigando o encerramento do jogo. Posteriormente, alegando peso na consciência, admitiu que ainda faltavam dois minutos para o término da partida. O escândalo da arbitragem resultou no afastamento por tempo indeterminado de Armando Marques, Loebeling, dos auxiliares Nelson de Souza Monção e Marcelino Tomaz de Brito, além dos juízes reservas, também impedidos de trabalhar porque foram coniventes na elaboração da súmula. Se houver julgamento e forem considerados culpados, os envolvidos poderão ser suspensos por um ano ou até mesmo eliminados do futebol.

Agencia Estado,

07 Março 2002 | 20h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.