Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

'Minha paciência com o Borja vai muito longe', diz Cuca no Palmeiras

Treinador garante confiar no colombiano, que tem seis jogos e nenhum gol marcado nesta Libertadores

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

25 Maio 2017 | 07h00

Os seis jogos na Copa Libertadores sem fazer gols e a saída para ser substituído no segundo tempo nesta quarta-feira, contra o Atlético Tucumán, não afetam o respeito do técnico Cuca pelo atacante Miguel Borja no Palmeiras. O colombiano vai continuar como titular e seguirá nos próximos dias como foco de atenção nos treinos, para que possa render o esperado e voltar a marcar com regularidade.

Cuca garantiu a aposta no atacante ao fim da vitória por 3 a 1 nesta quarta, no Allianz Parque. O colombiano saiu no segundo tempo para a entrada de Willian, que fez um gol e se tornou o artilheiro da equipe na Libertadores, com quatro. "Minha paciência com o Borja vai muito longe. Vamos encontrar a maneira certa dele se adaptar bem e produzir mais", disse o treinador.

O colombiano contratado no começo do ano por R$ 33 milhões foi titular em cinco das seis partidas na Libertadores até agora. Nos últimos dias o treinador teve conversas individuais com o atacante para orientar sobre posicionamento. No entender da comissão técnica, falta a Borja entender melhor o estilo de jogo brasileiro, mais intenso do que o praticado na Colômbia.

O atacante chegou a perder a titularidade na Libertadores após demonstrar descontentamento ao ser substituído por Willian na semifinal do Campeonato Paulista. O então técnico Eduardo Baptista começou o jogo seguinte, contra o Jorge Wilstermann, em Cochabamba, com o colombiano na reserva, decisão que Cuca não deve adotar a princício.

"O Willian tem entrado muito bem e foi importante para nós contra o Tucumán. Ele tem a velocidade para 'flutuar', jogou bem, fez gol e teve outras chances", elogiou o treinador. O Palmeiras tem como próximo compromisso o clássico com o São Paulo, no sábado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.