Pedro Martins/MoWa Press
Pedro Martins/MoWa Press

Miranda diz não se preocupar com risco do Chile não ir à Copa: 'É culpa deles'

Zagueiro da Inter de Milão afirma que o Brasil não tem nada a ver com momento dos rivais

Almir Leite, Ciro Campos e Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2017 | 19h10

Cada um com seus problemas. É desta maneira que o zagueiro Miranda respondeu neste domingo aos questionamentos sobre a situação do Chile, adversário da seleção brasileira nesta terça-feira, no estádio Allianz Parque, em São Paulo, pela 18.ª e última rodada das Eliminatórias Sul-Americanas. Os adversários estão desesperados e sob risco de não ir à Copa do Mundo de 2018, na Rússia. O Brasil está classificado já há algum tempo. Mas nem por isso tem pena dos chilenos.

+ Seleção treina no CT do Palmeiras e vai manter a base contra o Chile

+ Chile treina em São Paulo e enfrenta drama para substituir Vidal

"Se o Chile está nessa situação não é por nossa culpa, é culpa deles. Estivemos em um momento ruim e ninguém nos deu nada", disse Miranda, após o treinamento da seleção realizado na Academia de Futebol, o CT do Palmeiras, neste domingo, em São Paulo. "O que conquistamos foi por mérito nosso e se o Chile se classificar será por mérito deles".

Miranda lembra que durante o momento ruim da seleção ocorreu a estreia nas Eliminatórias, no segundo semestre de 2015, com derrota para o próprio Chile, em Santiago. "Naquele momento praticamente nada estava dando certo. Os jogadores são quase todos os mesmos, mas vitórias trazem confiança e hoje a situação é diferente. Enfrentamos um Chile empolgado, diante da torcida deles, e agora vamos estar ao lado da nossa".

Para o zagueiro da Internazionale, entre os problemas dos chilenos está a ausência de seu principal jogador - o volante Arturo Vidal, que está suspenso. "O Vidal vai fazer falta para o Chile. Tem muita garra, está atravessando bom momento, não sei se o melhor da carreira. Grandes jogadores fazem falta".

Nem por isso ele teme ser expulso na partida desta terça-feira, o que o deixaria fora da estreia da seleção na Copa do Mundo. "A seleção, por obrigação, joga para vencer. Independentemente da circunstâncias do jogo, se tiver que fazer uma falta para vencer, eu vou fazer essa falta. Eu quero ganhar sempre e a gente não pode levar isso (possibilidade de ficar suspenso na estreia) em consideração. Depois do jogo a gente vê", completou Miranda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.