Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Modesto confirma reunião no Santos e deve demitir Levir Culpi

Empate com o Sport faz com que a situação do treinador no comando do clube fique ainda mais delicada

Estadao Conteudo

20 Outubro 2017 | 15h14

O presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, confirmou nesta sexta-feira que uma reunião, marcada para esta tarde, deverá definir o futuro do técnico Levir Culpi no clube. O encontro terá a presença do próprio dirigente, de integrantes do comitê de gestão do Santos e da comissão técnica da equipe.

+ Após terceiro empate seguido, Levir diz que clima eleitoral atrapalha o Santos

"Hoje vamos avaliar. Quando estávamos conversando um pouco sobre isso (treinador), comentei com alguém do nosso grupo (de gestão) que disse que devemos ter as decisões sempre com sabedoria. Então, o convite para o encontro de hoje foi para transmitirmos as nossas sabedorias. Hoje, vamos ter um encontro para discutir nossas sabedorias quando pessoal chegar do Recife", declarou o mandatário santista durante entrevista coletiva para apresentação da nova fornecedora de material esportivo do clube, a Umbro.

A demissão do treinador voltou à pauta após o empate em 1 a 1 diante do Sport, na quinta, na Ilha do Retiro, em Recife, pela 29.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Foi o terceiro empate seguido da equipe santista na competição, sequência de resultados que frustrou as expectativas da torcida - e da diretoria na luta pelo título nacional.

No entanto, Modesto Roma Júnior não garantiu em nenhum momento de sua fala a permanência de Levir no comando da equipe, em um indicativo de que o treinador não deverá permanecer à frente do Santos. Mas negou que a possível demissão do treinador tenha motivação política - devido à proximidade das eleições no clube.

+ Santos empata com Sport e desperdiça nova chance de encostar no Corinthians

"Eu não faço a gestão do clube preocupado com eleição. Se fizesse, estaria contradizendo tudo aquilo que penso que o clube tem que ser gerido para o clube e não para as pessoas. Não avalio a questão do Levir de permanência ou não em função de eleição. Não quero impor a ninguém um treinador. Se for eu, quero ter o direito de escolher (o treinador). O clube não é meu e não quero impor nada a ninguém", ponderou.

Mais conteúdo sobre:
Santos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.