Morre Gilson Gênio, atacante do Fluminense nas décadas de 1970 e 1980

Ídolo de time carioca tinha 59 anos e teve complicações por conta de um câncer

Estadão Conteúdo

28 Maio 2017 | 14h50

O ex-atacante e treinador de futebol Gilson Wilson Francisco, mais conhecido como Gilson Gênio, morreu neste domingo, no Rio de Janeiro, aos 59 anos, devido à complicações derivadas de um câncer. Ele estava internado no Instituto Nacional do Câncer e teve o quadro de saúde agravado nos últimos meses por causa de uma infecção urinária.

Formado no clube do bairro das Laranjeiras, na zona sul da capital fluminense, Gilson Gênio fez parte da chamada "Máquina Tricolor" na década de 1970. Gilson atuava como ponta-esquerda. Como atleta, ele ainda passou por Grêmio, Bahia, América, Bangu e Santa Cruz. Depois de penduras as chuteiras em 1993, foi treinador e trabalhou por vários anos nas categorias de base do Fluminense.

O clube tricolor carioca publicou uma nota de pesar no seu site oficial para lamentar a perda do ídolo. O presidente do Fluminense, Pedro Abad, decretou luto oficial de três dias e também um minuto de silêncio na partida da próxima quarta-feira, às 19h30, no Maracanã, diante do Grêmio, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

No último dia 6 de maio foi promovido um jogo beneficente entre os times masters de Fluminense e do América-RJ em solidariedade a Gilson Gênio. A renda foi revertida para o tratamento do ex-jogador.

O velório de Gilson Gênio ocorre neste domingo, na Câmara Municipal de Itaguaí, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro. O enterro está marcado para começar às 9 horas desta segunda-feira, no cemitério São Francisco Xavier de Itaguaí.

Mais conteúdo sobre:
Fluminense futebol Fluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.