1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Morto após briga, palmeirense é enterrado em Caieiras

Estadão Conteúdo

22 Agosto 2014 | 20h 05

Gilberto Torres Pereira teve morte encefálica na quarta-feira após levar vários golpes na cabeça durante confronto entre torcedores

O palmeirense Gilberto Torres Pereira, de 31 anos, foi enterrado na manhã desta sexta-feira no Cemitério da Paz, em Caieiras, na Grande São Paulo. O torcedor teve morte encefálica na noite da última quarta após levar vários golpes de pedaços de pau na cabeça durante confronto entre corintianos e palmeirenses na estação Franco da Rocha da CPTM, no último domingo.

Pereira sofreu traumatismo craniano, chegou a passar por cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos. A família doou os órgãos do torcedor. Três corintianos são acusados pela morte dele. Foram denunciados por homicídio, rixa qualificada e por provocar tumulto. Dois foram presos em flagrante no domingo. O terceiro é Raimundo César Faustino, mais conhecido como Capá. Ele é vereador de Francisco Morato (SP) pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e associado da Gaviões da Fiel, principal organizada do Corinthians, desde 1988.

Testemunhas dizem ter visto Capá usando um tronco de árvore para agredir Pereira e que o vereador fugiu do local do crime no momento em que os policiais militares chegaram à estação. O corintiano prestou depoimento na última segunda e foi liberado em seguida. Segundo o seu advogado, ele apenas socorreu os colegas que estavam apanhando dos palmeirenses e não tem envolvimento na morte de Pereira.

ESPERA

A Polícia Civil pediu na última terça a prisão preventiva de Capá, mas a Justiça ainda não se pronunciou. A informação é de que o inquérito está com o Ministério Público. O promotor tem cinco dias úteis, que começaram a ser contados na terça, para se manifestar sobre o caso e encaminhar o inquérito ao juiz.

É esperado que o magistrado analise o caso nesta segunda. O efeito da sua decisão é imediato. Assim, caso ele aceite o pedido feito pela delegada Rafaela Aceto, a polícia é comunicada para executar a prisão.

Quatro palmeirenses também foram detidos em flagrante no domingo, mas responderão em liberdade.