Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Mosaico falha, e festa é morna antes de jogo entre Brasil e Chile

Mensagem de 'Partiu Rússia' não fica organizada e legível, como havia previsto a CBF para a partida, válida pelas Eliiantórias

Ciro Campos, Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2017 | 21h32

O último jogo do Brasil pelas Eliminatórias Sul-Americanas, o duelo desta terça-feira com o Chile, teve como principal marca nas arquibancadas do Allianz Parque o fracasso da tentativa de exibição de um mosaico com a inscrição "Partiu Rússia", em uma alusão ao palco da Copa do Mundo no ano que vem. Além disso, se viu a repetição de comportamentos típicos da "torcida de seleção", ainda que o jogo tenha contado com aspectos que lembraram a Copa do Mundo e as partidas de clubes.

+ Fora da Copa, Robben se aposenta da seleção da Holanda

+ Portugal bate Suíça e garante vaga na Rússia

O mosaico era uma das ações preparadas pela CBF no que definiu como uma grande festa de despedida da seleção na arena do Palmeiras – a equipe não fará jogos no País até o Mundial. Mas, no momento da entrada das equipes, quando ocorreria a exibição dos cartazes que formariam a expressão "Partiu Rússia", faltou coordenação entre os torcedores e o ato fracassou. Nada pode ser lido com clareza.

O momento de divulgação das escalações das seleções mostrou que o estádio tem seu dono: o Palmeiras. Em maior número, os torcedores do clube ovacionaram Gabriel Jesus, até mais aplaudido do que o astro Neymar, exibiram respeito por Valdivia e reservaram vaias ao goleiro corintiano Cássio.

Durante o jogo, porém, o comportamento tímido dos torcedores para apoiar a equipe e o repertório restrito de cânticos deram o tom, ao lado da tentativa de se divertir com o drama da Argentina na luta por sua vaga na Copa do Mundo de 2018.

Mas houve tentativas de alterar esse cenário, especialmente de uma ainda incipiente torcida organizada, a "Núcleo BR", que levou instrumentos musicais para as arquibancadas do estádio do Palmeiras e entoou músicas em sequência, lembrando o comportamento visto em jogos de clubes.

Além disso, os torcedores chilenos, presentes em bom número ao estádio do Palmeiras, fizeram barulho desde as primeiras horas da noite e não ficaram restritos ao setor destinado aos visitantes. Muitos compraram ingressos para outros locais do estádio e não houve sinais de qualquer animosidade, em congregação que foi uma das marcas da Copa do Mundo de 2014 no Brasil e também aconteceu no jogo final da vitoriosa campanha da seleção nas Eliminatórias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.