1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Mouche festeja fato de Palmeiras ter legião estrangeira

Agência Estado

01 Julho 2014 | 12h 17

Argentino atuará ao lado do compatriota Tobio, do paraguaio Mendieta, do chileno Valdivia e dos uruguaios Eguren e Victorino

Novo reforço do Palmeiras, o atacante Pablo Mouche se mostrou feliz por ter no clube a companhia de outros jogadores estrangeiros, o que ele acredita que facilitará sua adaptação ao time paulistano. O argentino atuará ao lado do compatriota Fernando Tobio, do paraguaio Mendieta, do chileno Valdivia e dos uruguaios Eguren e Victorino, além do que será comandado de Ricardo Gareca, também argentino.

"Creio que é uma ajuda muito grande para quem vem de fora ter muitos jogadores estrangeiros ou de nacionalidade argentina, além de um técnico como Ricardo, que é argentino. Acho que isso vai ajudar muito a nós que estamos chegando", disse Mouche, por meio de uma entrevista em vídeo, publicada nesta terça-feira pelo site oficial do Palmeiras. Ele e Tobio foram contratados pelo clube em junho.

O atacante terá a oportunidade de trabalhar no Brasil com Gareca, que treinou o Vélez Sarsfield entre 2009 e 2013 e conquistou três vezes o Campeonato Argentino. "O Ricardo é um treinador com muita experiência, teve um trabalho com ótimos resultados no Vélez. Esperamos que possamos fazer um bom trabalho todos juntos e cumprir o objetivo da instituição, que é o de disputar campeonatos e ganhar algum título", disse Mouche, que disputará no segundo semestre o Brasileirão e a Copa do Brasil no ano do centenário palmeirense.

"O centenário é uma motivação maior porque é um clube muito grande e com muito prestígio. Quando se completa 100 anos, se cumprem coisas muito lindas e desafios importantes, esperamos estar à altura das circunstâncias para corresponder dentro do campo", afirmou o atacante, elogioso aos torcedores do Palmeiras, que vêm demonstrando apoio ao argentino.

"A torcida do Palmeiras é parecida com a do Boca Juniors. São torcidas muito grandes, acompanham muito a equipe, que a apoiam. Receber o carinho dela é muito importante para a equipe", afirmou o atleta, que defendeu o Boca entre 2006 e 2012.