1. Usuário
Assine o Estadão
assine

MP afirma que Portuguesa sabia da punição de Héverton antes de escalá-lo

Gonçalo Júnior - O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2014 | 15h 51

Segundo Ministério Público, equipe paulista sabia que não podia escalar o jogador contra o Grêmio

SÃO PAULO - Os dirigentes da Portuguesa sabiam da punição de dois jogos aplicada pelo STJD ao jogador Héverton dois dias antes de o clube escalar o meia em situação irregular contra o Grêmio. Essa é uma das conclusões do inquérito aberto pelo Ministério Público para avaliar irregularidades no rebaixamento da Portuguesa. "A CBF enviou um e-mail, via Federação Paulista de Futebol, para a Portuguesa. Essa mensagem foi aberta, mas, mesmo assim, o jogador foi escalado. Ou seja, alguém não levou a informação adiante como deveria ter feito para que o clube não fosse punido", explica o promotor Roberto Senise Lisboa, responsável pelo inquérito, ao Estado. "Há prova, no inquérito civil, de que a Portuguesa tinha conhecimento do julgamento no dia 6 de dezembro. Essa prova existe ao contrário do que foi falado por alguns dirigentes da Portuguesa nos últimos dias", completa.

A descoberta do Ministério Público fortalece uma nova frente de investigação: saber as razões que levaram a Portuguesa a escalar o jogador mesmo com conhecimento da punição. Algo como um esquema Héverton. "Desde o princípio, tínhamos indícios de que algumas ilhas não se encaixavam", diz o promotor.

Essa nova frente de investigação corre paralelamente à questão central: a punição imposta à Portuguesa desrespeita o Estatuto do Torcedor por não ter sido publicada no site da CBF.

Na quinta-feira, o MP aguarda a presença de um representante da confederação para propor um Termo de Ajustamento de Conduta, ou seja, a devolução dos quatro pontos à Portuguesa e a anulação do julgamento do STJD. Se a CBF não aceitar, o MP vai entrar com uma ação civil pública e levar a decisão à justiça. "Acho improvável que a questão seja resolvida sem nenhuma questão judicial", diz o promotor.