Montagem Estadão
Montagem Estadão

MP pede prisão do presidente do Barcelona por negócio de Neymar

Ministério Publico espanhol sugere a prisão de Bartomeu e Rossell

Jamil Chade, O Estado de S. Paulo

23 Março 2015 | 08h43

A transferência de Neymar ao Barcelona pode acabar com a prisão de cartolas que intermediaram a contratação. Na manhã desta segunda-feira, o Ministério Público da Espanha pediu uma pena de dois anos e três meses de prisão para o atual presidente do Barcelona, Josep Bartomeu, e sete anos de cadeia para seu antecessor, Sandro Rosell, por crimes fiscais no caso da compra de Neymar do Santos para o clube catalão.

Pelas investigações conduzidas pela Justiça da Espanha, Neymar representou um custo total de 94,8 milhões de euros (R$ 305 milhões), e não 57 milhões de euros (R$ 183,3 milhões) como havia sido revelado pelo clube.

O MP considera que existem bases para julgar os cartolas e, depois de avaliar 13 contratos entre o jogador e o clube de 2011 a 2013, a conclusão é de que os dirigentes fraudaram o fisco em 13 milhões de euros (R$ 41,8 milhões).

O MP concluiu as investigações que haviam sido iniciadas em 2013 e sugere o julgamento dos cartolas. Além disso,  o fiscal pede um total de 62 milhões de euros, em multa e indenização, sobre o clube e cartolas.

Segundo a Justiça, Rosell "encobriu ou ocultou o que seria na realidade um aumento do custo para o Barcelona da compra do jogador". Rosell era amigo pessoal de Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e manteve uma série de acordos com o ex-dirigente brasileiro. Um deles foi o contrato da Nike com a CBF. 

De acordo com o MP, Rosell tentou "fragmentar o pagamento em diversas partes", simulando transferências para empresas que só existiam no papel. Em fevereiro, a Justiça da Espanha aceitou a denúncia contra Bartomeu, e o indiciou por crimes financeiros no caso da compra de Neymar. Grupos de sócios já pediam sua renúncia, o que seria o segundo caso da queda de um dirigente do Barcelona por causa dos contratos secretos de Neymar. No ano passado, foi Sandro Rosell que teve de abandonar o clube catalão depois das denúncias.

A principal denúncia é de uma fraude milionária na contratação de Neymar. O juiz Pablo Ruz aceitou a denúncia e indicou o cartola por uma fraude ao Fisco de mais de 2,8 milhões de euros. O dinheiro seria a parcela de impostos que o Barcelona deveria ter pago na contratação do brasileiro. Mas como os contratos eram secretos e os valores jamais foram divulgados, a sonegação fiscal teria sido milionária ainda em 2014.

As investigações apontaram que o Barcelona deixou de pagar à Fazenda cerca de 2,6 milhões de euros por causa de um contrato de 40 milhões de euros com o jogador (R$ 128,6 milhões). Esse contrato foi assinado em 3 de junho de 2013. Mas jamais foi apresentado aos sócios ou aos fiscais de renda. No dia 31 de julho de 2013, mais um contrato secreto, indicando o pagamento de mais 5 milhões de euros (R$ 16 milhões) a Neymar. Para o MP, cabia ao Barça registrar essas contratos e pagar seus devidos impostos no exercício fiscal de 2014, o que não ocorreu.

O clube ainda sonegou 234 mil euros em contratos de imagem do brasileiro e outros 11,7 mil euros  por um contrato com o pai de Neymar, avaliado em 22,5 mil euros (R$ 72,3 milhões). Rosell e Bartomeu ainda são acusados de fraude e sonegação em 2011 e 2013. Antes do indiciamento, o Barcelona emitiu um comunicado em que dizia que estava "indignado" com a denúncia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.